Radicalismos

Faz tempo, recuso discutir problemas econômicos se a desigualdade for item excluído da mesa de debates. Sem ter formação oficial em Economia, alguns cursos feitos na área permitiram-me compreender, pouco que seja, como funciona o sistema econômico, e otras cositas más. Com passagem por curso oferecido pela CEPAL, sistematizei de alguma forma o conhecimento que a realidade posta diante dos meus olhos permite ver, no Brasil e na América Latina. As aulas ministradas por Mário Henrique Simonsen e Mirceas Boescu, em Curso Sobre o Desenvolvimento, favoreceram minha compreensão dos problemas que faz décadas enfrentamos. O processo de acumulação praticado nos países, as políticas que o gestam e gerem, a dinâmica resultante das relações entre eles nada operaram de positivo na vida das pessoas. A não ser, para o reduzidíssimo número dos que se ocupam, em seus bem montados e refrigerados gabinetes, a acompanhar o movimento das bolsas. Os lugares em que esses mesmos agentes dão as ordens e as cartas. Estas, guardadas em seus bolsos, ao tempo em que escasseia a comida na boca dos que os fazem bilionários. Ainda quando milhões morrem, porque morrer é sentença que nos condena antes mesmo de nascermos. Agora, sabe-se do crescimento não apenas da pandemia muito bem administrada pelos genocidas. Cresce, igualmente, o número dos que arriscam escapar da covid-19, para serem sacrificados no altar negacionista, onde até a resistência antissionista desconsidera a nova forma do Holocausto. Pode-se contar, hoje, multidão de quase 20 milhões de famintos no Brasil. País que inscreve dentre os bilionários do mundo 65 indivíduos. Tudo isso, sem que sequer prospere a tímida iniciativa de tributar as grandes fortunas. Estas, como se sabe, em grande parte amealhadas à custa do sangue, suor, lágrimas e morte dos que põem a mão na massa. Eles mesmos a massa sobre a qual pesa a mão pesada dos exploradores. Por isso, digo não a essa falsa Economia, alimentada pelo egoísmo, a usura, a covardia. Mantenho o radicalismo que me tem sido atribuído pelos que, ignorantes de tanta coisa, também são incapazes de estabelecer qualquer relação do termo com sua origem – raiz. Enquanto as minhas não estiverem apodrecidas, seguirei em frente.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

E la nave...va

Aproximo-me dos oitenta e não cessa o permanente e intenso aprendizado a que me entrego, minuto após minuto, segundo após segundo, exercício como tudo o que é humano, contraditório. As lições aprendid

O deficit verdadeiro

Crer, seja no que for, parece necessidade imperiosa. As pessoas defrontam-se ao longo da vida com tantos desafios, que não têm como fugir. Movidas ora pelo desejo de compreender o mundo à sua volta; o

Sem desmentido

Recorro mais uma vez à sabedoria popular: dize-me com quem andas, dir-te-ei quem és. Isso não autoriza romper laços com pessoas de quem discordamos, seja qual for o móvel da discordância. Virtude maio