Quero-te verde!


Quero-te verde!

não o verde que me dá o

azeite

nem o que precisa

do vento para

fazer-se vivo

muito menos o que

alimenta o gado

desarvorado na terra

seminua

quero-te sim,

como o que meus olhos

enxergam

no dia que há de vir

casado o sol

multiplicado nas

estrelas da noite clara

sem ombros de

Atlas a zombarem de

nós.

Desse verde

barqueiro do futuro

olhos atraídos

rasgando rios lagos e

furos

sente falta

humanidade posta

entre muros

nos intervalos mais soluços

que desejos

sempre à espera dos ventos

benfazejos.

1 visualização

Posts recentes

Ver tudo

O que nos resta?

O fato não surpreende a consciência não o permite tão conhecido o objetivo no máximo, tênue suspeita seríamos absorvidos por outro cogumelo como o foram os de Nagasaki e Hiroshima os despelados como a

40

Foram os dias flutuantes de Noé explorador do cio de tantos pares promessa de encher de habitantes rios florestas lagos ilhas montanhas mares... quantos os anos a Moisés dados em trabalhosa cansativa

Coronavírus, Itália 2020

Praça de São Marcos sem pombos... Não! Não é obra do espírito santo santos quase não existem nem do mouro soberano e desdenhoso no alto de sua torre o gato em pisar cauteloso também isolado aturdido o

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.