POR UMA MANAUS PARA TODOS E PARA TODAS.QUE A POESIA DÊ O TOM DO HOJE E DO AMANHÃ.

Toda eleição surgem debates em torno de temas em construção na sociedade brasileira, mas de grande relevância para construção da cidadania e do processo civilizatório. Dentre esses temas, os que se relacionam aos direitos dos homossexuais e das mulheres.


No processo eleitoral – leia-se, campanha – os candidatos fogem do debate sobre esses temas como o diabo foge da cruz. Os assumidamente conservadores e reacionários entram logo de cara combatendo os direitos de cidadania dos homossexuais, condenando, por exemplo, a relação homoafetiva e negando os direitos até agora conquistados. Em ralação à mulher, o tema sempre é o mesmo: aborto. Nessa hora, todos se travestem de cristãos ortodoxos, como se não houvesse cristão gay e cristãs que defendem o direito das mulheres ao seu próprio corpo.


Esses dois temas evidenciam a hipocrisia que se esconde por trás dos candidatos, fazendo da política um meio de enganar o povo e/ou jogar com seus sentimentos mais atrasados e mesquinhos. Como acreditar em desenvolvimento econômico e social da cidade se os candidatos - e um deles virará o prefeito – atropelam os direitos dos cidadãos e cidadãs, defendendo o atraso e o retrocesso aos tempos mais nefastos da nossa história, quando direito só existia para poucos.


Queremos, sim, uma cidade que reconheça o direito ao amor de todos os seres humanos, independente de sua opção sexual, raça e cor.


Artigo IV

Fica decretado que o homem

não precisará nunca mais

duvidar do homem.

Que o homem confiará no homem

como a palmeira confia no vento,

como o vento confia no ar,

como o ar confia no campo azul do céu.

a e cor.


Queremos uma cidade como espaço do debate e de criação dos mecanismos de ampliação dos direitos das mulheres, negros e negras, jovens, idosos, trabalhadores e trabalhadoras.


Artigo V

Fica decretado que os homens

estão livres do jugo da mentira.

Nunca mais será preciso usar

a couraça do silêncio

nem a armadura de palavras.

O homem se sentará à mesa

com seu olhar limpo

porque a verdade passará a ser servida

antes da sobremesa.


Queremos uma cidade como referência da cidadania, com gestores que assumam os plenos direitos da sociedade e defendam o aprofundamento da democracia e a concretização da justiça social. Não é mais admissível a mentira, o cinismo, a vilania, como instrumentos da política. A política deve ser a base da sua própria negação, através do poder popular e, posteriormente, do próprio fim do poder.


Artigo I

Fica decretado que agora vale a verdade.

agora vale a vida,

e de mãos dadas,

marcharemos todos pela vida verdadeira.


Os "artigos" são do poema "Estatuto do Homem" de Thiago de Mello


Lúcio Carril

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Por que celebrar Daniel Coelho de Souza?

Parte III Daí que, pouco tempo depois, ao assumir a cátedra de Introdução à Ciência do Direito, que conquistara em memorável concurso público, Daniel Coelho de Souza, após recensear as insuficiências

Teremos um novo normal?

Há quase um ano ouço falar em um novo normal. Tenho muita limitação em entender como se pode ver possibilidade de coisa boa depois de tanta desgraça. Não vejo um mundo melhor pós-pandemia. Na verdade,

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.