Poesia e Pan


Ilimitado é seu

horizonte

de onde brota

aviões trens navios

carros caminhões

sapatos tamancos

chinelos botas

compõem e movem

o lúgubre e infamante

cortejo de indesejável

frota

Se é epi

na periferia logo se

acomoda

lá onde a fome chega antes

lá onde é amplo o mal

que grassa

torna-se endêmica

...e nós pensávamos

que ela passa

veio e ficará

é o que se

sabe

torna-se pan

mundo pequeno

e nele quase

não cabe

Do mesmo jeito é

a Poesia

intrometida onde há

tristeza e alegria

indiscreta mesmo

fiel ou mera

aleivosia

até na dor

dá sentido próprio

à vida

Oxalá saia do

gueto que a faz epi

en jamais sendo

produza fantasia

traga ao mundo

malgrado seu tamanho

as boas novas de sua

pandemia.

6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Morto - o sonho?

Desta não escapamos o vírus foi mais forte forçou-nos a abandonar vocês não sabemos se deixamos só que trouxemos conosco tanta saudade a falta do beijo sorridente do neto a preocupação com o emprego d

Homem e máquina

Disseram-me: cala-te não me calei. Insistiram: guarda tua pena outras pagarás! Fiz-me surdo. Ameaçaram-me: na tua boca poremos o gosto do fel em tua vida também! Perseverei... Olhos sempre postos no a

Diante do pelotão

Nossos modos de ver o mundo separam-nos mais que dois mil quilômetros de coloridas águas tornaram meus olhos secos ao ponto de não reterem nem verterem o profundo sentimento de lamentável dolorida ind

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.