Pobreza e fortuna

Atento às palavras, a leitura de pronunciamentos orais ou escritos sobre a realidade brasileira me leva a conclusões pouco lisonjeiras a grande parte dos meus contemporâneos. Uns deliberadamente, outros, por desinformação, parecem ignorar o sofrimento da maioria da população, com ou sem pandemia. Existe, é inegável, certo tipo de ignorância cultivada, a que tenho chamado de ignorância por opção. Para os que se orientam por essa forma de perversão, importa pouco – ou nada – que a fome continue matando, neste país que ninguém negaria ser demasiado rico. À riqueza de que somos detentores, no entanto, corresponde a pobreza generalizada, a que escapa exatamente a minoria que dela se apropria. Seja por ação em todo caso comprometedora do futuro (às vezes, do próprio Planeta), seja pela acumulação baseada na exploração do suor e do sangue do outro, aquele no qual residem todos os vícios – o pior deles, a pobreza. Sim, porque entre nós ser pobre é fatalidade decretada pelos falsos deuses em que creem os afortunados. Pois esses mesmos afortunados vivem a clamar contra o que consideram excessiva carga tributária, em oposição a toda comparação com outros países, ao mesmo tempo em que reivindicam cada dia mais favores fiscais. Sabem, e não apenas pelos livros, nossa posição no ranque da carga tributária e da devolução, em serviços e direitos, pelo Estado aos que estão nas faixas socioeconômicas da base da pirâmide. E, sem o menor pudor, lutam por ver desmontada a máquina pública de prestação de serviços, sem a qual menos eficiente ainda seria a qualidade dos serviços oficiais. Fingem sequer não ver ou imaginar o que seria o combate à pandemia, a que o SUS tem dado a mais importante e efetiva resposta. Ademais, esquecem propositalmente o avanço experimentado em países vizinhos, alguns dos quais empenhados em impor tributação sobre as grandes fortunas. No caso do Brasil, o engajamento dos integrantes do topo da pirâmide deveria ser até maior, dada a contribuição do dinheiro público para o processo que os elevou àquela posição, dentre as diversas faixas socioeconômicas. Tem-se falado muito em reforma tributária, raramente para tornar mais justo o sistema em vigor. A pretensão, nem sempre suficientemente escondida, é a de reduzir o que chamam tamanho do Estado e tirar dos que não têm para aquinhoar com crescente generosidade os que tudo e de todos tomam.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Os imprestáveis

A matança de mais de seis milhões de judeus de quase nada terá servido. Como seria prova evidente de ingenuidade exagerada ou rematada ignorância esperar algum bom legado após os milhões de mortos alc

Boa hora

Circula nas redes sociais documento assinado por Frei Betto, integrado à Campanha da Quaresma. Além das denúncias formuladas pelo lúcido e incansável pensador católico, a mensagem traz um apelo, em

Equívoco ou propósito?

Repito convicção firmada ao longo de uma vida que se aproxima das oito décadas, com mais de seis delas dedicadas a organizações humanas de natureza, objetivos e funções diversos: governos nunca erram,

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.