Plágio é o de menos

Quem nos dera fosse apenas o plágio a marcar o atual período de nossa história! Institucionalizar esse mau costume e fazer dele trunfo eleiçoeiro parece-me de gravidade maior que a imitação imperdoável na academia. Que será o Renda Cidadã, comparado com o Bolsa-Família? Nem por isso deve ser condenado, mesmo se sabidamente orientado para a renovação do mandato presidencial. Para os que não ganham o que seria justo receber em troca do trabalho, é imitação, mas imitação benfazeja. A mesma conduta, se registrada no ambiente acadêmico, constituiria inadmissível ofensa à instituição. Sem isso, como admitir séria e respeitável a academia? Não é esse o caso que envolve o desembargador do TRF-1 indicado pelo Presidente da República para a vaga aberta pela aposentadoria do Ministro Celso de Mello. Se comparado às mentiras constantes no currículo do interessado, o pecado do plágio nem deve ser levado em consideração. Até porque valorizar esse aspecto contradiria toda a lógica de um governo hostil à Ciência e agressor da Cultura. Em Kássio Nunes Marques não choca a fragilidade do currículo, porque tal circunstância não o fará diferente de alguns de seus potenciais pares, caso chegue ao Supremo Tribunal Federal. Bastaria ao desembargador piauiense não ter sido reprovado em algum concurso público para provar-se melhor. Ao invés de discutirmos essas questões de somenos, deveríamos centrar nossas atenções e reunir esforços para remover as causas que consolidam e aprofundam a submissão dos demais poderes ao Executivo. O autoritarismo que alguns dizem herança de longa tradição histórica acaba poluindo o texto da Constituição e preservando esse traço indesejável em qualquer república merecedora deste nome. Alterar o processo de preenchimento das cadeiras do STF, de modo a evidenciar a independência dos poderes parece-me indispensável e intransferível.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Direito de expressão e charlatanismo

Para dizer o menos, foi inoportuna a nota divulgada pelo Centro de Comunicação Social do Exército, a propósito de matéria publicada no semanário Época. Assinado pelo jornalista Luiz Fernando Vianna, o

Cenário e simbolismo

Cristiane Rose Jourdan Gomes é o nome dela, ocupante de uma cadeira na Diretoria Coletiva da Agência Nacional de Vigilância em Saúde - ANVISA. Na memorável sessão de ontem, em que foi unanimemente a

Anunciada...mas nem por isso

A forma como a covid-19 vem sendo encarada pelo governo federal responde pela tragédia que já matou mais de duzentos mil brasileiros, e ainda matará não se sabe quantos mais. O desespero que tomou con

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.