top of page

Pedagogia da porrada

A aprovação das chamadas escolas cívico-militares, pela Assembleia Legislativa de São Paulo deixou sua marca e, ao mesmo tempo, um presságio. Deu para ver cassetetes empunhados por policiais militares desabarem sobre o corpo dos estudantes que se opunham ao projeto. Nem se diga da contradição dos termos,quando um traço une dois conceitos incompatíveis entre si. Cívico deriva de civil (civilis) e justificou a campanha chamada civilista, liderada pelo jurista baiano Ruy Barbosa. Que os quartéis sejam mantidos cegamente apegados à disciplina, não vejo problema. Sobretudo quando esse conceito não é desvirtuado e acaba agredido, sempre que exceções ocorrem. Um oficial subalterno por exemplo, ser posto fora dos quadros por conduta comprometedora da imagem da corporação e depois chegar ao topo da hierarquia governamental. Pior - dando mostras frequentes de absoluta ignorância a respeito da civilidade. Levar tal disciplina para escolas de formação de jovens brasileiros, todavia, parece brincadeira de mau gosto. Ainda mais quando na mesma sessão que aprovou o infeliz projeto, foi dada ostensiva demonstração de violência. Nada mais coerente, porém, dada a folha corrida dos interessados na monstruosa pedagogia do porrete.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O desafio do momento

A reação das lideranças empresariais do Amazonas à manutenção das taxas de juros pelo COPOM parece destoar das preferências políticas por elas mesmas cultivadas. E incentivadas, como o financiamento d

Omissão criminosa

É quase impossível ficar à margem da discussão que agora - atrasada que seja - começa a tratar das redes sociais como problema de saúde pública. Chega a ser criminoso omitir-se, quando à perda da inte

De ponta-cabeça

Estranhos estes tempos que vivemos. Multiplicam-se os deuses, como se produtiva e incansável fábrica os replicasse, com velocidade bem maior. Desta vez, em ritmo – e tom - furioso, segundo os fins a q

댓글


bottom of page