Parceiros de Caronte

Desculpem-me os que perderam alguma pessoa querida ou ainda as perderão. As primeiras, tanto quanto as outras, com todo o direito de mais que prantear em seu luto a memória dos que se foram. Porque, vitimados pela covid-19, os mortos pelos quais quase nós todos choramos também foram vítimas da hipocrisia. Esta sequer disfarçada pelos que não derramam suas lágrimas, antes comprazem-se em vê-las escorrer no rosto desolado dos que perderam parte de si. Os que desdenharam, por ignorância ou cálculo, a gravidade da pandemia. Os que responderam aos argumentos científicos com zombaria e ofensas, calcados nos sentimentos desumanos que orientam sua conduta. Desses mesmos, destituídos de qualquer valor que os diferencie dos animais ditos inferiores, a negligência – quando não a hostilidade – no trato do mal que a nós todos ameaça. Perdoem-me, portanto, se trago à cena o sentimento abjeto a que se vincula e, orientador, influencia a conduta dos carrascos sem máscara dos nossos dias. A hipocrisia dispensa o uso de outra máscara, pois a máscara de que a natureza dotou esses agentes da morte incumbe-se do que lhe cabe. Há, é certo, os que, pobres de espírito, alma empobrecida, paupérrima humanidade, batem palmas e rendem homenagens aos parceiros de Caronte. Alguns, tripulantes da hedionda barca. A mesma que transporta jovens e negros, mulheres e trabalhadores, corpos às vezes – e quantos! – abatidos pelas armas que nossos tributos pagaram. Muitas das quais, procure-se saber, fabricadas com recursos de igual origem. Armas acionadas pela mão de que se poderia esperar apoio, ajuda, defesa, abrigo – jamais a agressão, a ofensa, a morte, enfim. Foi assim na loja do Carrefour, na capital gaúcha. Mas não só lá, como registra a crônica diária deste país em que vírus e vermes, em impensável convívio, associação e conúbio, destroem sobretudo esperanças. Se todos um dia morreremos, nem por isso a antecipação do fim pode constituir objeto de nossa tolerância, nosso aplauso, muito menos nosso desejo.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O novo assustador

Atemoriza-me mais que tranquiliza a manifestação da maioria dos profetas de nossos dias. Falam em novo normal, e têm dificuldade em apresentar alguma coisa que seja portadora de novidade. A normalidad

Os imprestáveis

A matança de mais de seis milhões de judeus de quase nada terá servido. Como seria prova evidente de ingenuidade exagerada ou rematada ignorância esperar algum bom legado após os milhões de mortos alc

Boa hora

Circula nas redes sociais documento assinado por Frei Betto, integrado à Campanha da Quaresma. Além das denúncias formuladas pelo lúcido e incansável pensador católico, a mensagem traz um apelo, em

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.