top of page

Paleta poética

Paulo Emílio Martins

paleta poética


poesia é imagem emoldurada

pintada na tela da razão

com as brilhantes cores da paleta da vida

em nuances vivas de emoção


pintura diáfana

do que os olhos não veem

registro relutante do tempo

que não passa


poíesis mais forte

do que já é forte

composição em canto

do que foi pranto


transformação de sombras

em radiante entardecer

e retoque do amanhecer

com o brilho das pérolas


revelação da raridade da constância

da complexidade da simplicidade

da fugacidade que habita a eternidade

e preservação dos sonhos da infância


talha leve na pedra bruta

lapidação de diamantes nas gemas da dor

polimento do desencanto

retoque de amor no desamor


transformação da quimera em utopia

garimpagem, no arco-íris, de cores

que não há nas tintas dos pintores

e da luminosidade da fantasia


sim, é na paleta colorida

em que as palavras têm cores

e as cores têm vida

que registramos nossos

amores e

dores

quem sabe? ... em forma de poesia.



nova friburgo, 30 de março de 2021

8 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Bento Aranha: sarapatel, indígenas e enchente

José de Ribamar Bessa Freire Taquiprati, 12-05-2024 “No Amazonas, tudo é grande e só pequeno é o homem”  (Bento Aranha, 1906) Essa fofoca é deliciosa, embora trágica. O coronel José Carvalho, nomeado

Comentários


bottom of page