Palavras de ordem


Carregar! Apontar! Atirar! Esses comandos são conhecidos, gravados na mente de quantos se interessam pela História. Tantas as vezes em que eram proferidas, as expressões descrevem a pior das tragédias que maltrataram e maltratam a humanidade – a guerra. Outras formas de atentar contra a dignidade humana dispensaram até o uso das palavras, embutidos o ódio e a perversidade que não precisam delas para manifestar-se. São intrínsecos, latejam nos corações endurecidos, nas mentes embrutecidas, nas mãos que se tingem de sangue. Nas masmorras financiadas por pessoas aparentemente semelhantes aos que sofrem todo tipo de tortura. Também nos porões ocultos, palco da sanha assassina, vírus cevado nos espíritos e nos sonhos de tantos desalmados. Palavras de ordem e comando, sendo de uso de gente que pensávamos semelhante à maioria, têm prazo de validade. Diferentes dos remédios que trazem claro o limite de sua finitude, as palavras desaparecem ou mudam de significado sem que muitas vezes nos demos conta. A exceção aqui é feita aos que sabem íntimo e indesmentível o vínculo histórico entre o ontem, o hoje, o amanhã. A grande maioria, por negligência ou preferência deixa-se levar pelos interesses que não os fazem diferentes dos outros animais, aqueles que dizemos inferiores. Animais incapazes de criar armas com as quais suprirão sua covardia. Armas com que imporão suas escolhas, por mais contraditória seja a opção da maioria. A espécie humana, por piores dos seus exemplares, tem produzido a seu favor outras armas. Já não é mais necessário o grito proclamador da tríplice aliança verbal. Nem a tropa formada frente ao justiçado, ou entulhando trincheiras no chamado teatro de operações. As trincheiras hoje acolhem as vítimas desses mesmos justiceiros, mas elas estão nos cemitérios. Nada de teatro, de operações que seja. Bastam as máscaras que a covid-19 exige, onde a hipocrisia faz esquecer sua presença. E o novo grito ecoa, firme - até quando? Abramos o isolamento!

0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

Revolução à francesa

Ruas próximas á praça da Bastilha, em Paris, transformaram-se em campo de batalha na tarde do último sábado. A manifestação popular tentava impedir a imposição de lei de proteção das forças policiais

Pular o muro não dá

O apego ao cargo ou certo sentido insensato de missão acaba por desmantelar cérebros ou interromper a construção autobiográfica. Às vezes, uma justificando a outra, essas duas condições se juntam e im

Comunhão

Absolutamente inoportuno e infeliz, o anúncio de desobediência às determinações da ANVISA por João Doria denuncia o clima polarizado a que se tem submetido a nação. Difícil aplaudir a bravata do gover

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.