top of page

Outra carta

Há que dar atenção à carta que Lula assina, endereçada à Ciência e ao povo brasileiro Desta vez o ex-Presidente assume posição diametralmente oposta à que transudava de sua carta-renúncia aos propósitos e princípios a que dizia vinculado o partido de cuja fundação foi o líder. É cedo para dizer-se que Luís Inácio Lula da Silva terá aprendido bastante, em razão do sofrimento que lhe tem sido imposto, nos últimos quatro anos. Não parece tão fácil desfazer a imagem construída pelos inimigos do ex-líder operário, para a qual a conduta do próprio Lula e de seus fanáticos seguidores muito tem concorrido. Há quem veja, inclusive, semelhança pouco lisonjeira para ele, um emigrante saído do interior do Nordeste, com os que o detratam e perseguem. Pesa na desconstrução que operou em sintonia com a Operação Lava Jato, certa insensibilidade à realidade. Neste caso, a vedação ao surgimento de qualquer alternativa ao nome de Lula tem peso especifico, de que pode ser exemplar a frustrada candidatura de Fernando Haddad à Presidência. Assim, às verdades e virtudes contidas na Carta à Ciência e ao povo brasileiro precisam ser cotidianamente acompanhadam de gestos e comportamentos que revelem não ter sido perdida por Luís Inácio Lula da Silva a oportunidade de fazer jus à admiração de expressiva parte da população brasileira. E de muitas lideranças estrangeiras, como se sabe. Quanto às acusações que pesam sobre ele, é certo que a História dirá terem sido suplantadas pelos que sucederam sua sucessora. É o que se tem visto.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

França e franceses

Mais uma vez vem da França o anúncio de novos avanços na História. Esta quinta-feira marca momento importante daquela sociedade, há mais de dois séculos sacudida pelo lema liberté, fraternité, egalité

Uso indevido

Muito do que se conhece dos povos mais antigos é devido à tradição oral e a outras formas de registro da realidade de então. Avulta nesse acúmulo e transmissão de conhecimentos a obra de escritores, f

Terei razão - ou não

Imagino-me general reformado, cuja atividade principal é ler os jornalões, quando não estou frente à televisão, clicando nervosamente o teclado do controle remoto. Entre uma espiada mais demorada e ou

Comments


bottom of page