Os tolos – ou não?


Comove-me a tolice das pessoas. Ainda em dúvida sobre ser esta a motivação delas, ofereço-lhes minha compreensão e tolerância. Sobretudo, porque não me sentiria confortável se o sentimento de pena me fosse oferecido. Para mim, a indiferença e a pena são os dois piores sentimentos de que o ser dito humano é capaz. De oferecer e receber. Ao portador de ódio e de amor, há sempre a possibilidade da resposta, da retaliação. A escolha está à altura do destinatário que deseja fazer a troca. Do estoque de amor ou de ódio contido depende a forra. Essa a razão por que encontro arrependimento que a coragem escassa não expressa, nos que agora pregam o amor, depois de se terem engajado na mais odiosa e odienta mobilização política registrada nestas terras, com alguma ironia um dia da Santa Cruz chamada. Muitos, alimentados por informações cotidianas, ridiculamente mostram-se hoje como habitantes de Marte. Por descuido, teriam chegado a algum ponto deste Planeta, onde não existia ninguém. A não ser os falsos profetas, espada em punho apta a instaurar o reino da Paz e da Felicidade. Sempre à custa do ódio e de seus subprodutos: o preconceito, a arrogância, a opressão. Quando o País chega perto da meta desejada e precocemente anunciada, dá-lhes aquela vontade de dizer “não tenho nada com isso”. A repetição do já reprisado “ e daí”?

Recuso-me, porém, a responder com o mesmo sentimento (vá lá, a mesma falsa ignorância) dos despertados pelo remorso. Ainda que falte a grandeza necessária ao mea culpa de que só os seres verdadeiramente humanos são capazes. Não cobrarei isso dos membros de rebanho cujo pastor não se equivoca, apenas é destrambelhado na busca de antigos e bem aplaudidos objetivos. Esse rebanho pode ter-se reduzido, sim. Mas, convenhamos, pelo menos 15 milhões de cabeças (ou será outra coisa?) ainda frequentam o cocho e o curral.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Redes e sítio

Para não fugir à regra, o Presidente da República promoveu nova aglomeração, ao seu estilo. Em nova edição de suas macabras encenações, estava acompanhado de auxiliares, e foi a Uberlândia, sob o pret

Senha da morte

Qualquer receita composta a partir de ingredientes ineficazes nada de bom pode prometer. Em relação à saúde humana, os efeitos podem levar a consequências indesejáveis, pelo menos para as vítimas e se

Ingratidão

Deixemos de chorumelas, diria Francisco Milani, conhecido ator brasileiro, morto em 2005. Presidente da República reeleito depois de promover a alteração da Constituição para assegurar o mandato, FHC

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.