top of page

Opção

Atualizado: 4 de jun. de 2022

A perseguição (não pode ser outra a palavra) aos setores científicos e tecnológicos que o atual poder federal impõe, persegue também a mente dos que o exercem. Não cessa de manifestar-se, destruindo conquistas que se pensava irreversíveis. Enganamo-nos nós, enganam-nos eles. O Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, a despeito do enorme mérito investigativo gozado no cenário internacional, e a Universidade Federal do Amazonas, construída a muito custo, não fogem à sanha e fúria dos governantes. Ainda agora, o INPA corre o risco de perder quase todos os 126 pesquisadores que recebem abono de permanência, dos 137 em atividades. Restará, em termos numéricos, apenas um time de futebol, sem reservas. Na UFAM, a redução de recursos, as restrições orçamentárias e outras dificuldades imputáveis ao governo federal completam a guerra contra a Ciência, a Educação e a Tecnologia.

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Não fazem falta

Há indivíduos que, ausentes, fazem enorme favor aos outros. Cafu e Ronaldinho Gaúcho organizam um jogo entre veteranos, cuja renda se destinará às vítimas das enchentes do Rio Grande do Sul. Enquanto

O medo da urna

A credibilidade do governador Eduardo Leite afundou de vez nas águas do Guaíba e outros rios. Quando todas as cidades atingidas pelas enchentes baixarem, restará na lama o prestígio do governante. Alé

Provas provadas

A Revista de Saúde Pública, do Instituto Sérgio Arouca, tirou as dúvidas. Nós municípios em que o ex-capitão excluído das forças armadas e tornado inelegível venceu as eleições de 2022, o índice de mo

コメント


bottom of page