Ondas em maré macabra


Disse-o bem o jornalista que chamou “onda Bolsonaro” ao fenômeno que intranquiliza a maioria do povo brasileiro. A expressão é precisa, para caracterizar a mobilização da qual decorreu a eleição de figuras no mínimo desajustadas ao modelo democrático. Anunciadas como renovadoras dos costumes políticos, econômicos e sociais, não têm tais figuras menos que contradito tudo quanto suas poderosas e bem irrigadas redes (anti)sociais viralizaram – cabendo aqui o termo, pelo que de malévolo traz consigo. As trombetas anunciadoras, carregadas de mentiras, longe de encaminharem a nação por rumos inusitados, sequer conseguem ocultar a consolidação de práticas daninhas sob qualquer aspecto. Já não se trata mais apenas de combater a corrupção, eis que ela diariamente surge dos escombros do aparato de transparência falsamente reclamado pelos que se dizem honestos. Outras evidências não houvesse, bastaria compulsar o relatório do Tribunal de Contas da União, em derredor da prestação de contas do governo federal. Lá, pelo menos meia dúzia de ressalvas referem-se ao mau uso do dinheiro do contribuinte. Indo-se em frente, relações promíscuas com organizações criminosas, de que as milícias e, agora, o centrão, são exemplos contundentes - dizem muito. Andou-se tanto, para sequer ficarmos no mesmo lugar. Há, de fato, retrocesso.

A desesperança, quando transformada em ação, raramente se faz acompanhar de prudência, tolerância, sabedoria. Ao contrário, costuma apresentar-se carregada de ódio, preconceito e sede de sangue. Leva o ambiente social ao que o tsunami produz no ambiente natural. A predação atinge, indiscriminadamente, tudo quanto a Natureza nos deu e tudo quanto o homem construiu, muitas vezes a preço extremamente alto.

Todo dia sabe-se de algum fato ou relação capaz de desnudar os infames e macabros interesses subjacentes ao discurso ocultado em aparente indignação. Essa constatação diária, por sua evidência, acaba por dispensar até a existência de oposição política, eis que a força adversa vem dos subterrâneos ou submarinos, tal placas tectônicas que se desprendessem. E o exemplo de cima, sempre, de alguma forma e em alguma medida, gerará efeitos.

Como erupção vulcânica, deslizamento de terras, terremotos e maremotos, o tsunami social produzido por bípedes que se suporia inteligentes causam consequências indesejáveis. Hoje, a esperada destituição do governador Wilson Witzel do governo do Estado do Rio de Janeiro é o sopro mais assustador da onda arrasadora que se espraia por todo o País. Não é mais que o resultado da ação de uma liderança malsã, à qual se ligava até passado recentíssimo o modelo em que o ex-juiz e fuzileiro se inspira. Nem se hão de ignorar os motivos por que Wilson Witzel, tal água feita vinho, de rês apenas tresmalhada do rebanho, acabou por tornar-se alvo dos antigos e fraternos companheiros. Outras trombetas anunciam em torno de que sonhos se fizeram alianças hoje postas em risco, sendo o amor às armas correspondente à indiferença quanto à vida dos seres humanos a quem lhes caberia governar. Armas matam, às vezes mais que um vírus. Ou uma bactéria. Ou os vermes.

A onda atual, talvez vista pelos desatentos como simples marola, mostra-se tsunami social, político e econômico cujos efeitos em todo caso são indesejáveis. Se a gripezinha já de registra mais de quarenta mil vítimas, o deslocamento da placa tectônica que o impele promete não ficar atrás. Macabra, a maré em que nos metemos.

1 visualização

Posts recentes

Ver tudo

Se não é genocídio...

Descobrem pouco mais de 7 milhões de testes PCR da covid-19 estocados em depósito no aeroporto de Guarulhos, SP. Destes, quase 97% vencem em dezembro e janeiro próximos. O restante, cerca de 280 mil,

Retrato 18 – Talião 2020

Quase 2.000 anos antes de Cristo, criou-se o conceito do jus talionis. Diferentemente do que muitos pensam, esse segundo vocábulo não é mais que um conceito, ao invés do nome de alguém. Refere-se ao e

O segundo turno

Enfrentar preconceitos tem sido uma constante na vida do setentrião brasileiro. Como, de resto, nas regiões distantes do centro de poder. Este, como todos sabem, intimamente vinculado ao poder econômi

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.