OLHANDO AS SOMBRAS

Vi a penumbra do meu ser

No desabrochar da luz

A dúvida na escuridão...


Plantei um sonho nas nuvens pra crescer

Mas ainda não vi o rosto de quem me conduz

Meu universo de dúvidas é imensidão!


Tenho trava no olhar

Sou sombra de minha própria estrada...

Caminho sinuoso sem acostamento


Os espinhos da vida levam-me a trilhar

Uma trajetória que não foi registrada

No caderno do conhecimento...


É nesse vagar no escuro

Que apalpo nacos de sonhos perdidos

Sou andarilho que não olha para os lados...


É vago o destino que procuro

Meus anseios são singelos pedidos

Os grandes sonhos foram atropelados!!


Antônio Teixeira Barros

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A POESIA NO PARÁ

Orlando SAMPAIO SILVA Esta é uma relação ou uma listagem parcial de poetas que, se não são todos nascidos no Pará, todos têm pertencimentos de várias ordens com o Estado nortista. Vamos a eles: - AUGU

Por que celebrar Daniel Coelho de Souza?

Parte IV Pois bem, decorridos exatos 70 anos da publicação de Interpretação e Democracia, permanece no ponto crítico em que se encontrava, desde então, a velha disputa entre judiciaristas e parlamenta

A Razão da primavera

É verdade: sou um romântico. E não pretendo abrir mão disso que considero uma qualidade humana. Escrevo em resposta àqueles que pensam estar desqualificando meu discurso me chamando de romântico. O fa

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.