top of page

Oficialização

Agora é oficial. A tortura e o assassinato dos que o governo brasileiro considerasse perigoso subversivo era política de Estado. Faz tempo, sabe-se da tolerância e do apoio do general-ditador Ernesto Geisel à eliminação dos opositores. Desde que, a critério exclusivo dele e de seus apoiadores nos quartéis, fosse incluído na categoria acima indicada. Foi preciso que o sigilo de atos registrados na CIA (Central de Inteligência Americana) fosse rompido, para ver confirmado o que a Comissão da Verdade apurara. Em documento estarrecedor, segundo o pesquisador Mathias Expector, da Fundação Getúlio Vargas, informação enviada pelo então chefe da CIA, William Colby, a Henry Kissinger, Secretário de Estado dos Estados Unidos da América do Norte, Geisel não mediu palavras. Recomendou apenas que o general João Baotista de Figueiredo, chefe do Serviço Nacional de Informações (SNI) depois ditador, fosse informado, a cada novo assassinato ou tortura. José Carlos Dias, criminalista que defendeu muitos dos perseguidos pela ditadura, viu confirmada a convicção da Comissão da Verdade, de que foi integrante. Além de reconhecidas como práticas oficializadas naquele trágico período (1964-1985) de nossa história, torna-se evidente a utilidade do sigilo: esconder toda sorte de crimes, seja qual for o grau de hediondez de que se cerque. Uma lição que os mais jovens precisam aprender.

32 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Prioridades

Pelo menos não se pode acusar o governador Eduardo Leite de insincero. É possível que nele se tenha manifestado o que meu velho e saudoso mestre de Direito Penal Aldebaro Klautau chamava oasis de honr

Pedagogia da porrada

A aprovação das chamadas escolas cívico-militares, pela Assembleia Legislativa de São Paulo deixou sua marca e, ao mesmo tempo, um presságio. Deu para ver cassetetes empunhados por policiais militares

Naufrágio semTitanic

É mais rápida a disseminação da mentira, comparada à divulgação da verdade. Ainda mais, quando o avanço tecnológico coloca à disposição dos mentirosos meios que asseguram, concomitantemente, anonimato

Comments


bottom of page