O VERÃO AMAZÔNICO

Lúcio Carril


Por quinze dias os ipês florescem e nos quintais a rede é atada e o cheiro de churrasco e peixe assado toma conta da rua.

O guarda-chuva dá lugar à sombrinha, menor e colorida, que protege do sol de 40 graus. Mesmo assim o corpo sua e o rosto brilhoso fica parecendo um pão-doce.

Sem pandemia, é tempo de fazer shows ao ar livre, praças e largos. Basta um tablado para as bandas.

Os sítios ficam cheios de amigos, que se refestelam nos igarapés e piscinas naturais, saboreando no almoço uma galinha caipira criada só no milho e no farelo de trigo. Vez ou outra pinta uma caça.

É tempo de quentura. O calor vem de baixo e de cima, como numa completa excitação.

As caboclas aproveitam para usar trajes mínimos, mostrando toda sua exuberância.

Os rios secam e furos aparecem, possibilitando a viagem mais curta. É meio perigoso viajar de voadeira nos tempos de seca, pois bancos de areia se formam no meio do rio; ou seria o dorso da cobra grande ?

As várzeas se desnudam. É hora de plantar e aproveitar o cio da terra.

Verão amazônico, uma interação da natureza com a cultura.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A Razão da primavera

É verdade: sou um romântico. E não pretendo abrir mão disso que considero uma qualidade humana. Escrevo em resposta àqueles que pensam estar desqualificando meu discurso me chamando de romântico. O fa

FILOSOFIA, TEMPO E SENSAÇÃO*

Alcimar de Oliveira * Quanto menos a força muscular foi aplicada às máquinas colossais, quanto mais as pontas dos dedos e os movimentos oculares foram motora e refinadamente alinhava

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.