O serviço dos militares

Prestei serviço militar no Centro de Preparação de Oficiais da Reserva, CPOR/8, onde ingressei antes de completar 18 anos. Durante os quatro primeiros meses, fui voluntário. Isso me tirava o direito de receber a remuneração correspondente, suficiente para manter os coturnos engraxados, a fivela do cinto cintilando, a roupa muito bem engomada. E a proeza de nunca ter ao menos sido convocado à chamada revista (noturna), pena mais branda de quantas eram aplicadas às infrações regulamentares. Poderia, como muitos de meus contemporâneos e de gerações posteriores, fugir ao serviço. Foi escolha minha, porém, passar dois anos no ambiente da caserna. Lá pude sentir quanto o homem é objeto e produto das circunstâncias, não raro podendo construir o mundo à sua volta. Vi exemplos de grandeza humana, como também testemunhei atos que põem em dúvida a superioridade do animal inteligente. Preferi, sempre, recolher os bons exemplos e propositalmente esquecer o que agredia meu modo de ver o mundo. Chegado o momento de inscrever-me no estágio de instrução, fui dos primeiros a candidatar-se. Após dois meses, voltei de Manaus para Belém, ainda aspirante a oficial, mas já assegurado o direito de ser promovido a segundo-tenente. Não repetirei aqui o já relatado em livros de minha autoria, a respeito da contribuição da vida castrense na minha formação de cidadão. Afirmo, no entanto, suposição que sei alimentada até por cidadãos e cidadãs que nunca passaram do portão das armas de qualquer quartel. Como eu, muitos desses brasileiros e brasileiras devem estranhar aparente indiferença das instituições militares (a que se chama forças armadas), diante das agressões e do achincalhe reiterado do Presidente da República a muitos dos seus integrantes. As humilhações e os vexames impostos pelo ex-capitão a generais que compõem seu quadro de auxiliares fariam sentido se tal tratamento fosse revelador da submissão da instituição militar ao poder civil, como o exige democracia minimamente digna desta qualificação. Não é o caso, a partir da hostilidade do Presidente aos limites constitucionais e legais impostos ao exercício do cargo. Então, haveremos de buscar, segundo o grau de conhecimento acumulado da vida pregressa do ex-oficial, a razão da inadmissível conduta de Jair Bolsonaro. Felizmente, algumas vozes sensatas começam a traduzir e expressar sentimento que vai tomando conta da caserna. Quando, por exemplo, o Ministro da Defesa lembra que as forças armadas têm como partido a nação, e seu compromisso é com ela, não com este ou aquele governo, é justo e legítimo pensar tratar-se de um recado. O general Édson Pujol sabe mais dos seus subordinados que qualquer um de nós pode saber. A ele não escapa, portanto, o mal-estar causado por um ex-colega, cuja exclusão de seu meio certamente não terá sido provocada por atos de bravura ou dedicação à causa que os une. Sabem, o general Pujol e quantos mais militares têm semelhante compreensão do caráter institucional das forças armadas, do inadmissível fosso que Bolsonaro insiste em pôr entre elas e a sociedade brasileira. O resultado desse esforço inglório e lesivo à ordem constitucional arrisca produzir crescente desprestígio da instituição castrense, situação que em nenhuma hipótese justa ou lúcida beneficiará o efetivo humano que a compõe. Tanto quanto ao médico é vedado prejudicar o cliente que não compartilha de suas ideias, crenças, ideologia, aos membros das forças armadas cabe conter-se dentro dos limites institucionais. Nem falo de receberem eles, como paga de sua dedicação ao serviço público militar, parte do que dos contribuintes é exigido. Isso seria reduzir à sagrada lei da compra-e-venda as relações institucionais. Algo tão oprobrioso quanto as humilhações que Bolsonaro não se cansa de protagonizar.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O novo assustador

Atemoriza-me mais que tranquiliza a manifestação da maioria dos profetas de nossos dias. Falam em novo normal, e têm dificuldade em apresentar alguma coisa que seja portadora de novidade. A normalidad

Os imprestáveis

A matança de mais de seis milhões de judeus de quase nada terá servido. Como seria prova evidente de ingenuidade exagerada ou rematada ignorância esperar algum bom legado após os milhões de mortos alc

Boa hora

Circula nas redes sociais documento assinado por Frei Betto, integrado à Campanha da Quaresma. Além das denúncias formuladas pelo lúcido e incansável pensador católico, a mensagem traz um apelo, em

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.