O pior está por vir

Sempre que algum profissional insensível à desigualdade se pronuncia, ele não consegue esconder as contradições que habitam sua cabeça. Ainda agora, testemunho complicado exercício neuronal, para explicar o inexplicável. Vem um ministro e anuncia investimentos públicos na área social, ao mesmo tempo em que proclama política de concessões e privatizações. Dos cofres públicos deverão sair 40 bilhões, enquanto a expectativa é a de que o setor privado entre com 350 bilhões de reais. E isso tudo é dito a título de justificar o que eles mesmos chamam de maior presença do Estado na economia. Em primeiro lugar, a matemática e as primeiras operações dela revelam que o volume dos investimentos é disparatado, desigual como tudo neste país. Pior, já se pode imaginar de onde sairão os recursos que se suporia virem dos cofres privados. Nada disso! Para quê então há o BNDES? E por que preservar as reservas cambiais, se os serviços públicos são todos deficitários em termos de instalações, equipamentos, recursos humanos etc.?

Depois, a política de concessão e privatização (da qual a outra é apenas espécie) reduz a presença do Estado na economia, ao invés de aumenta-la. Experiência é o que não nos falta, nesse particular aspecto das relações Estado-setor privado. Quem tenha olhos de ver o que tem sido feito no Brasil, com a transferência do controle de setores estratégicos para a sociedade ao setor privado, nem precisará considerar as sepulturas abertas pela covid-19. Esta apenas escancarou o resultado do desmonte do Estado e desmantelamento dos serviços públicos. Ou não caminhava celeremente o desmonte do Sistema Único de Saúde, experiência a que não eram destinados recursos suficientes? Nem o aparecimento e crescimento e gradativa sofisticação das unidades de saúde particulares, onde os ricos tratam de sua saúde e sorriem com a desgraça dos outros? Jamais se esqueça do congelamento de investimentos em saúde e educação por vinte anos, ainda no governo de Michel Temer. Inesquecível, também, como o SUS, com o pouco que ainda resta dele vem realizando trabalho meritório e merecedor, pelo menos, do respeito de todos.

Ora, para evitar isso foram criadas as agências reguladoras, dirão os – nem sei como dizer – inocentes, ingênuos, burros, desinformados, ignorantes por preferência ou desonestos. Devolvo e troco a pergunta: que têm feito essas agências, se não proteger os controladores dos serviços públicos privatizados ou concedidos? Ou os números relativos às burlas, fraudes, ilícitos de toda ordem não o comprovam?

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Ingratidão

Deixemos de chorumelas, diria Francisco Milani, conhecido ator brasileiro, morto em 2005. Presidente da República reeleito depois de promover a alteração da Constituição para assegurar o mandato, FHC

O novo assustador

Atemoriza-me mais que tranquiliza a manifestação da maioria dos profetas de nossos dias. Falam em novo normal, e têm dificuldade em apresentar alguma coisa que seja portadora de novidade. A normalidad

Os imprestáveis

A matança de mais de seis milhões de judeus de quase nada terá servido. Como seria prova evidente de ingenuidade exagerada ou rematada ignorância esperar algum bom legado após os milhões de mortos alc

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.