*O NOVO E O VELHO NA POLÍTICA*


Eis uma pergunta que mexe com o pensar, nos levando à simples reflexão ou a um emaranhado de notícias e informações que invadem nosso cotidiano.

Já vi e ouvi gente apelar para a rejeição total dos políticos com mandatos e pedir que o eleitor vote no "novo", em candidato de primeira viagem ou que nunca tenha tido representação legislativa ou executiva.

Seria este o novo na política? Ledo engano, caríssimo ou caríssima. Não basta ser um imberbe ou um "calça-curta" na política para representar o "novo". Pode até ser uma renovação, uma troca de turno, mas nem sempre um novo caminho ou uma nova forma de caminhar.

Vou explicar pelo inverso, agora: velho na política é usar um mandato para atender seus próprios interesses e os interesses do grupo econômico que o apoiou; velho na política é querer entregar o patrimônio público nas mãos do privado; velho na política é chamar professor de vagabundo; velho na política é a "rachadinha"; velho na política é beneficiar com licitações fraudulentas a empresa do compadre ou do seu financiador; velho na política é ficar rico com negociatas; velho na política é enganar o eleitor e esse eleitor defender e votar no seu ludibriador.

Tem político com ou sem mandato que sempre será o novo, porque vai de encontro a tudo aquilo que é velho na política.

Como encontrar esse político? É simples: pesquise a sua história de vida e procure discutir com ele seus projetos, as propostas que ele tem para melhorar a vida de todos. Não queira saber o que ele pode fazer para melhorar a sua vida, isoladamente, pois se fizer isto você, enquanto eleitor, estará fazendo a velha política.

Político bom existe, como existe eleitor consciente e responsável. O problema é que por trás do discurso do "novo" há a velha intenção de empurrar o político safado e ladrão.

Em síntese: político novo é aquele que luta por justiça social, por salário digno para todos trabalhadores, que luta por mais verba para a educação e que se preocupa com a saúde do seu povo.

Político novo não faz "rachadinha" com dinheiro público nem vende seu país para outro país.

Político novo existe e está na sua cidade. Mas, cuidado! Os pilantras também estão próximo de você. Pesquise e conheça antes de votar.

Lúcio Carril

0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

Sobre um artigo

Marcelo Seráfico O Leonardo Avritzer(1) põe o foco onde deve ser posto: nas similitudes entre nazismo e stalinismo. Pode não parecer nada, mas faz toda diferença analítica. O que está em causa não é o

Síntese

Marcelo Seráfico Sinteticamente: Bolsonaro reitera nas Nações Unidas as duas linhas de argumento fundantes de sua prática política. De um lado, a fuga do trato objetivo dos problemas vividos pelo paí

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.