O nome da crise

Fui dos muitos que condenaram - e ainda condenam - artigo do jornalista Hélio Schwartsman, publicado dias atrás na Folha de São Paulo. Nele, o articulista pareceu inspirado pelo mesmo sentimento inspirador do Presidente: o ódio. Nem me passa pela cabeça pedir a morte dele, até porque vejo instituições e escoras constitucionais capazes de impedir a ação daninha de que ele se vem ocupando, desde 1 de janeiro de 2019. Penso estar mais do que provado o comportamento deletério do Presidente, nestes poucos dias em que a covid -19 o fez praticamente ausentar-se do poder. Não há qualquer originalidade na constatação ora manifestada. Há quase unanimidade entre os melhores analistas, os piores também, quanto à melhora no clima político. Tanto, que o País não parou e os agentes políticos e econômicos trabalham, nem sempre, é verdade, em prol do povo. Isso, porém, é outra história. Sem Bolsonaro, os dias são mais tranquilos. Quanto a qualidade das pretensas reformas - até elas têm andado - é o que se deve discutir.

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O Brasil caiu nas mãos do seu torturador*

Em 17 de abril de 2016 na votação do farsesco impeachment contra Dilma Rousseff, Bolsonaro se tornou o Ubu rei nacional. Ubu Rei é um personagem de uma peça homônima de Alfred Jarry que data do final

Saída difícil

Imagine-se um carro Ford-T trafegando nas ruas das grandes cidades. Por mais agradável que fosse conhecer aquele símbolo do mundo industrial emergindo, ninguém negaria o anacronismo da paisagem. Pois

Quem quiser, que o compre

Assisti à sessão híbrida em que a Câmara dos Deputados confirmou a decisão unânime do Supremo Tribunal Federal, determinando a prisão do deputado Daniel Silveira. O relatório lido pela autora, deputa

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.