O nome da crise

Fui dos muitos que condenaram - e ainda condenam - artigo do jornalista Hélio Schwartsman, publicado dias atrás na Folha de São Paulo. Nele, o articulista pareceu inspirado pelo mesmo sentimento inspirador do Presidente: o ódio. Nem me passa pela cabeça pedir a morte dele, até porque vejo instituições e escoras constitucionais capazes de impedir a ação daninha de que ele se vem ocupando, desde 1 de janeiro de 2019. Penso estar mais do que provado o comportamento deletério do Presidente, nestes poucos dias em que a covid -19 o fez praticamente ausentar-se do poder. Não há qualquer originalidade na constatação ora manifestada. Há quase unanimidade entre os melhores analistas, os piores também, quanto à melhora no clima político. Tanto, que o País não parou e os agentes políticos e econômicos trabalham, nem sempre, é verdade, em prol do povo. Isso, porém, é outra história. Sem Bolsonaro, os dias são mais tranquilos. Quanto a qualidade das pretensas reformas - até elas têm andado - é o que se deve discutir.

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Frases 129

A mentalidade anarquista do Presidente age para destruir e desmoralizar as instituições. Dita pelo General Luís Carlos Santos Cruz, ex-Secretário de Governo da Presidência da República. Integrante do

Novo romance de Paes Loureiro

O consagrado poeta paraense (amazônico seria mais justo dizer)João de Jesus Paes Loureiro entregará ao leitor, em sessão virtual, seu mais novo romance - Andurá, onde tudo é e não é. Segundo o autor,

Polarização posta na mesa

Quem estiver interessado em discutir a polarização poderá fazê-lo ainda hoje. Basta ir ao link @gesidh, a partir das 19:00. Lá, especialistas no tema ajudarão a compreender o clima político do Brasil,