O galho de cada um

Há quem diga não ser a vida mais que um espetáculo teatral, pelo que ela, apresentando-os, representa os sentimentos e inspirações que justificam a conduta dos membros da sociedade. Dizem os comportamentalistas não haver uma só ação humana solta, vazia, como se destituída de base difícil de enxergar ou identificar, não fossem as técnicas e práticas com que se entretêm psiquiatras e outros analistas. De Riva Bauzer, minha professora na Escola Brasileira de Administração Pública (hoje EBAPE/FGV), faz 54 anos, ouvi que ninguém vale pelo que sabe, mas pelo que faz com o que sabe. Mais claramente: é a ação, não a palavra, o que define o homem e o torna indivíduo em meio à multidão de que é cercado. Mais tarde, ouvi de outros dois professores, baianos ambos (João Eurico Matta e Alaor Coutinho), que saber, poder e querer são verbos indissociáveis, se pretendemos avaliar o desempenho dos que dirigem grupos sociais e buscam solucionar problemas que afetam a sociedade. Pude, assim, chegar a juízos nem sempre agradáveis a boa parte dos meu contemporâneos, quando em posição de mando. Também aprendi que as relações com grupos diferentes exige considerar variáveis diferentes, tais como os interesses em jogo, os preconceitos, as crenças, além de outros dados do caráter e da personalidade. Graças a isso, se deploro não me surpreendo com o desempenho da equipe que governa o Brasil, nem com o aval de mais de 57 milhões de brasileiros que com ela se assemelham. Pior para eles. Experimentado na administração pública, que tantos fazem questão de debilitar e menosprezar, jamais me arrependi dos que escolhi como auxiliares diretos. É verdade que nunca chamei um engenheiro estimulado a elaborar peças jurídicas, nem um médico para tratar de assuntos de engenharia. A formação de um é diferente da formação do outro. Administrasse uma penitenciária e a pena de morte fosse castigo em vigor, é certo que não entregaria a guilhotina a um sacerdote, como o carrasco não seria mandado para a gestão do almoxarifado. Se a vida é um teatro, cada qual se contenha no script que escolheu para dele fazer profissão. Mesmo sem fé...

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Flor que não se cheira

Qualquer que seja, não é o tamanho do mico que faz a diferença. Ao mesmo tempo em que o pagamos, esforçamo-nos por imitar exemplos vindos de fora, em geral os piores. Se cultivamos a síndrome de Estoc

Vassalagem e desarmonia

Dizer que a democracia passa por processo de fragilização em todo o Mundo equivale a reconhecer o caráter pandêmico da covid-19. Ambas as constatações descrevem o cenário, sem que isso venha servindo

Fatos e interpretação

Os fatos existem por eles mesmos, desde que o homem os produza ou se manifestem as forças da natureza. Sem que o próprio animal pretensamente dotado de inteligência seja totalmente excluído da partici

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.