O capítulo que falta

Primeiro foi o calote. Depois, resistência às recomendações do órgão, no enfrentamento da pandemia. Finalmente, o ato sem grandeza ou apoteose: o rompimento formal. Essa a sinopse das relações entre o governo norte-americano e a Organização Mundial da Saúde. A ameaça de não não ser paga o que os Estados Unidos da América do Norte deviam à OMS surtiu efeito zero. O órgão da ONU não se deixou chantagear e manteve as recomendações iniciais. Donald Trump, como seu mais entusiástico e rejeitado seguidor, continuou resistindo à Ciência. Vencido, mas não se dando por, o Presidente Donald Trump acabou por desligar seu país. Ninguém espere, por isso, que a nação mais poderosa e belicosa do Mundo vai baixar a crista. A não ser que os eleitores norte-americanos deem em novembro, a lição que parece tornar-se cada dia mais provável,. Se isso ocorrer, os derrotados não serão apenas os fanáticos de lá. Fora do território ocupado pelos descendentes dos passageiros do Mayflower há adoradores da bandeira norte-americana. De preferência às de seus próprios países.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Sobrecarga de trabalho

Imagino a sobrecarga de trabalho a que serão submetidos os servidores do Ministério das Relações Exteriores. Mais avancem as investigações da CPI da covid-19, mais será necessário reter passaportes. N

Confusão tola

As novas tecnologias da informação que na percepção de Marshall Mac-Luhan transformaram o mundo em uma aldeia global, nem sempre têm sido vistas com a seriedade necessária. Talvez aí esteja uma das ra

Policialesco

Quem ainda tenha dúvida sobre a transformação do Estado democrático de Direito em um Estado policial, leia com atenção noticiário sobre as irregularidades atribuídas ao ex-reitor da UFSC, professor Lu