O buraco é mais em cima

Articulam-se deputados federais e senadores do Amazonas, para salvar a zona franca. Repetem a cena dando sempre a impressão de surpresa com os rumos da economia - a nossa e a predominante no mundo. Desta, pouco mostram perceber; da outra, revelam menor grau de ignorância. Só que a veem com os olhos de quem é insensível à desigualdade social e econômica, ela também produto da forma como se processa a acumulação de capital. Não fosse assim, todos os amazonenses se incorporariam aos esforços (e não só aos de última hora, quando o barco ameaça naufragar) das lideranças políticas e empresariais. Não, é claro, perdendo de vista os interesses que movem o Ministro Paulo Guedes e o governo a que serve. E a que interesses serve este.

De tudo quanto tenho lido, sai-me a impressão de que já o li antes. Argumentos (chamemo-los assim, para não parecer caturrice) nem sempre sobejamente comprovados voltam a enriquecer documentos oficiais: a arrecadação da zona engorda os cofres federais, a indústria de Manaus preserva a floresta, o número de empregos cresceu. Não se diz, porém, quanto dos lucros auferidos foram aplicados no Amazonas, seja no consumo ou no investimento. Ninguém, que eu perceba, associa o pagamento de salários dignos como motor da economia. Isso, do ponto de vista do consumo das famílias. Do ponto de vista do investimento, ninguém se preocupa em saber quanto rendeu em investimentos públicos no Amazonas. Na saúde e na educação, sobretudo.

Nada que não se pudesse prever, antes da manifestação de 57 milhões de brasileiros.

É o caso de dizer: quem pariu Matheus, que o embale. Mas não se descarte a concessão de título de cidadão ao Ministro Paulo Guedes. A História autoriza-me dizê-lo.


3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Radicalismos

Faz tempo, recuso discutir problemas econômicos se a desigualdade for item excluído da mesa de debates. Sem ter formação oficial em Economia, alguns cursos feitos na área permitiram-me compreender, po

Proposital, não menos

Sempre ouvi dizer que caos e planejamento são inimigos irreconciliáveis. Uma única exceção legitima essa regra: o caos planejado. É do que tratamos hoje, quando a ação destruidora vai desde organizaçõ

Terrorismo bíblico

Da atenção que dermos ao discurso e às ações que os acompanham pode resultar apreciação mais próxima da realidade. Quando o Presidente da República anunciou sua preferência por escolher um Ministro do

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.