O AMOR NÃO TEM TAMANHO NEM MEDIDA


Diziam que ele tinha pouco sentimento. Quando se emocionava, seja por alegria ou tristeza, apenas duas lágrimas caiam sobre sua cara enrugada. Ele não ligava, deixava falar; e continuava a chorar e a rir com aquelas duas lágrimas, irmãs gêmeas da alegria e da tristeza.

E das duas lágrimas fez sua vida, criou filhos, teve mulher e homens de amores, abraçou seus amigos, nunca os traiu, lutou a luta que deveria ser de todos, sonhou; as duas lágrimas regaram suas utopias, amou, se fez gente com aquelas duas gotículas de emoção.

Daquele sentimento, que cochichavam ser pequeno, inundou pequenos frascos vazios, encheu de amor seus abraços, seus beijos, seus amores, sua vida e as vidas alheias. As duas lágrimas nunca o incomodaram, como o perturbavam as quedas d'águas de lágrimas sem sentimentos que jorravam pelas cavernas do desamor em muita gente.

Lúcio Carril

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A barbárie bolsonarista, o vírus e seu antídoto

Marcelo Seráfico A situação brasileira é, sob todos os aspectos, desgraçada. O vírus e a doença agravaram-na, pois atiçaram a labareda do bolsonarismo. É tolice cobrar racionalidade objetiva dos que t

A ETERNIDADE DO NOSSO AMOR

O relógio despertara às seis horas da manhã, mas a chuva forte insistia que eu permanecesse em seus braços, como se houvesse uma relação de harmonia entre os pingos d'água sobre o telhado e as batidas

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.