Nojo e compaixão

A aparência das dezenas de altos funcionários das empresas envolvidas nas falcatruas que a Operação Lava Jato desvenda sugere-me sentimentos contraditórios. Um, o de profundo nojo; outro, o de compaixão. Talvez esse tumulto interior seja devido ao avançar da idade, quando a ânsia por sermos bons substitui o desejo de sermos justos. Talvez, ainda, por verificar quanto o propósito de julgar acaba empurrando-nos para a área própria dos justiceiros.

Sei que nojo e ódio não são a mesma coisa. A convivência desse sentimento com o da compaixão parece mais ajustável. O ódio não cede espaço à compaixão.

É mais fácil, nas atuais circunstâncias em que nos encontramos neste país que ainda não se encontrou, ter nojo. Creio que todos os brasileiros o têm, pouco que seja; inconscientemente que seja. Também sei quantos aproveitam essas circunstâncias para destilar o ódio que consome suas entranhas. É uma forma de dividir o veneno inoculado ou produzido em seu organismo com os inimigos selecionados por seu desejo de vingança.

O que me leva à compaixão, porém, é a suspeita de que muitos dos implicados na ladroagem no fundo não são maus. (Como ninguém é totalmente mau ou totalmente bom). Desatentos para as coisas do mundo, sobretudo valores, sentimentos, afetos podem ter-se deixado fisgar pelo que imaginavam uma carreira exitosa.

No conceito de êxito, ou sucesso, a perspectiva de enriquecimento material os terá feito esquecer outras formas de enriquecimento. Deslumbraram-se com a sedução de bons salários, gabinetes suntuosos, facilidades e comodidades atraentes – tudo o que pensavam constituir-se excelência no desempenho profissional. Negaram, por si mesmos, o respeito dos que os achavam competentes, talentosos, criteriosos - capazes de chegar a uma vida edificante.

Hoje, quantos deles refletirão sobre o cinzento de seu olhar, que ignorou tudo quanto não apontasse para a errônea concepção de êxito? Fizeram o que lhes pedia ou mandava quem lhes pagava os salários e punha à sua disposição o que à maioria dos seus contemporâneos, colegas e pessoas de seu próprio círculo de amigos e familiar é negado, e agora têm sua imagem associada ao crime.

Como ter ódio de seres que se apequenaram e hoje são objeto do repúdio da maioria dos membros da sociedade? Como não ter nojo do que eles fizeram? Como não se compadecer desses incautos, que não entenderam a tempo que a felicidade tem muito pouco a ver com o enriquecimento puramente material?

Hoje, esses sentimentos se estendem aos que se autoatribuíram o direito de julgar e prejulgar, como os deuses do Olimpo, implacáveis, rígidos, supostamente melhores dos que acusaram. A sociedade começa a se dar conta de quanto o desespero concorre para a repetição de erros, fundada na esperança de que uns são os "nossos bandidos"; dos outros são os outros bandidos. A Justiça, portanto, deve ser distribuída de acordo com nossas próprias preferências. Para que, então, existe Poder Legislativo?

Eis como pensam os velhos! É certo que nem todos. Basta que algum pense assim, e que haja dentre os jovens os que não fazem ouvidos de mercador. A esperança não é perdida, porque eles ainda existem.

6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Alemanha não é só Hitler, nem ele só está lá

Faz 3 anos, mais de quarenta intelectuais alemães lançaram documento em que advertiam para os riscos de o Brasil eleger o atual Presidente da República. Mesmo sem mencionar o nome do ex-capitão excluí

Distância que aproxima

Perdi, semana passada, um primo que os pais fizeram meu afilhado. Isso fortaleceu meus laços familiares e afetivos com Orlando e Edith, ele irmão da minha mãe. O segundo filho deles, Álvaro, teve-me c

De inoportuno a necessário

A polarização política chegou a um tal ponto que se torna difícil imagina-la desaparecer tão facilmente. É justo reconhecer que muito dela é devido ao estilo do atual Presidente da República, apostado