No rumo do passado

Como os rios, os tempos vão-se alterando e alterando tudo o que os constitui, movimentados como são. Nem sempre, porém, os seres que os habitam desejam, como os rios, chegar a uma foz e tornar-se maiores como os oceanos. Para eles correndo e concorrendo. Diferentes da pororoca, não se reconhecem como parte do todo maior para cuja formação contribuem. Por isso, resistem e tentam retroceder. Buscam o passado, não o futuro. Se vivo ainda fosse, Nélson Rodrigues os chamaria de vira-latas, porque assim é o espírito dos que colocam o farol apontado para trás. Exemplo da possibilidade de retrocesso histórico é bem o tempo em que vivemos. As ofensas à Ciência e aos que a produzem; a discriminação contra as minorias; a violência estreitando os espaços onde se pode exercer a liberdade – tudo isso mostra nossa caminhada para o passado. Por isso, torna-se emblemática a resistência em promover a vida humana, curiosa e paradoxalmente sob a invocação da liberdade. Estamos prestes a voltar ao Brasil de 1902, quando as autoridades da república e do Rio de Janeiro, então capital federal, tiveram que enfrentar a Revolta da Vacina. Em nome de uma falsa liberdade, constatamos o vínculo dessa qualidade desejável no ser humano com a morte, não com a vida. Reivindicação que caberia bem no lema ser livre para morrer, não para viver. Oswaldo Cruz e Pereira Passos sequer tinham acumulado conhecimentos de que a sociedade moderna hoje dispõe. Ousaram, no entanto, encontrar remédio para a varíola e outras doenças, em época durante a qual a caneta ainda não havia revelado todo o seu poder destruidor. Hoje, a falsa liberdade opera em desfavor da vida e opta pela morte. A ignorância é cultivada e se impõe, não importa quantas vidas sejam perdidas. Nosso 1902 ainda chegará. Ou não...

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Redes e sítio

Para não fugir à regra, o Presidente da República promoveu nova aglomeração, ao seu estilo. Em nova edição de suas macabras encenações, estava acompanhado de auxiliares, e foi a Uberlândia, sob o pret

Senha da morte

Qualquer receita composta a partir de ingredientes ineficazes nada de bom pode prometer. Em relação à saúde humana, os efeitos podem levar a consequências indesejáveis, pelo menos para as vítimas e se

Ingratidão

Deixemos de chorumelas, diria Francisco Milani, conhecido ator brasileiro, morto em 2005. Presidente da República reeleito depois de promover a alteração da Constituição para assegurar o mandato, FHC

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.