Nem Daniel, nem leões na Arena

Não vejamos na Justiça um estorvo aos avanços da sociedade. Nem imaginemos em cada um dos que a compõem novos deuses, a que os vícios não assistem. Como instituição e poder, não tem como alhear-se à realidade que o envolve. Que seus erros, em toda e qualquer hipótese, sejam apurados, punidos e corrigidos. Sem prejuízo do prestígio á instituição. Deem-se ouvidos, por exemplo, ao que diz a Juíza Federal Jaiza Fraixe, da seção do TRF1- AM. Segundo ela, o melhor a fazer com os promotores e frequentadores de aglomerações seria confina-los na Arena da Amazônia, bem guardados, até que todos estejamos vacinados. Dra. Jaiza não exige leões, nem o polegar que decidiria pela morte dos confinados. A compensação estaria em evitar a morte de milhares dos que amam a vida, pela alegria dos festeiros.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O préstimo do imprestável

É falso dizer que nada se pode aprender com o (des)governo atual. As tragédias também ensinam. Assistimos ao troca-troca de que seis virarão meia-dúzia e chegamos a essa constatação: cuidado deve ser

Ministério-Lázaro

Levanta-te e anda! É como descrevem os livros sagrados a volta do irmão de Madalena, ao mundo dos vivos. Os vivos (e espertos) de hoje ressuscitam órgãos antes amaldiçoados. E tratam de provê-lo e faz

Baralho

As cartas estão na mesa. Foram conferidas e embaralhadas. Chegada a hora da partilha, a distribuição dentre os jogadores sem o que não há jogo, dá-se por falta de um jogador. Dependendo da modalidade