Negação e negócio - almas gêmeas

Vem do passado o vínculo entre o negacionismo e o negócio. A mãe de ambos é a mesma. Nenhuma delas vê graça ou gratuidade, seja lá no que for. A recusa ao lazer, em consequência ao prazer sadio, está presente tanto no negacionista quanto no negocista. Algo que reforça os laços entre uma coisa e outra é a chamada lei de Gérson. Onde haja a oportunidade, levar vantagem é o que interessa. Esse esforço justiça se faça, deu origem a inúmeras expressões, eis que a sabedoria popular se constrói da observação, em geral dos que não se privam do ócio e do prazer. Aqueles para os quais o lucro está na forma como se leva a vida. Algumas dessas expressões: quanto eu levo nisso? Farinha pouca, meu pirão primeiro. É dando que se recebe. Não há almoço grátis. Todas elas expressões geradoras, frequentemente, de percurso derivado dos negócios, um caminho chamado negociata. Com o que se completam e integram as duas palavras – negacionista e negociante.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O préstimo do imprestável

É falso dizer que nada se pode aprender com o (des)governo atual. As tragédias também ensinam. Assistimos ao troca-troca de que seis virarão meia-dúzia e chegamos a essa constatação: cuidado deve ser

Ministério-Lázaro

Levanta-te e anda! É como descrevem os livros sagrados a volta do irmão de Madalena, ao mundo dos vivos. Os vivos (e espertos) de hoje ressuscitam órgãos antes amaldiçoados. E tratam de provê-lo e faz

Baralho

As cartas estão na mesa. Foram conferidas e embaralhadas. Chegada a hora da partilha, a distribuição dentre os jogadores sem o que não há jogo, dá-se por falta de um jogador. Dependendo da modalidade