Nada de novo

Antes mesmo de iniciada a Assembleia da ONU, o Brasil colhe seus primeiros resultados. Não falará na cúpula climática, no dia anterior ao de abertura da Assembleia. Sua companhia, no rol dos excluídos, não é das melhores - Arabia Saudita, Coreia do Sul, Estados Unidos e Austrália. O esperado discurso de abertura é outra fonte de preocupações para os brasileiros que, sem repetir sua condição de patriotas, levam a sério a sua pátria. Seria preciso jamais ter ouvido as autoridades atuais, para imaginar que elas serão capazes de deixar boa impressão marcada nos representantes dos países na Organização das Nações Unidas.

Pelo conteúdo e pela forma, só se pode encontrar motivo de preocupação.

Rigorosamente, se surpresa houver, ela ficará por conta de eventuais - quem sabe até involuntários acertos, e comedimento no dizer.

Pelo primeiro vexame já passamos, a nos indicar o juízo que a comunidade internacional faz de nós. O impedimento de o Brasil discursar na cúpula do clima não é menos que revelação do desprestígio que começa a se espalhar, mundo afora.

Nada de novo, porém, dados os antecedentes conhecidos.


1 visualização

Posts recentes

Ver tudo

Pra quê humoristas?

Pra que humoristas? A realidade política brasileira, de tão surreal, dispensa criadores de piadas. Diariamente, chegam prontas as anedotas que aliviam os sacrifícios impostos (1) à população. Como di

Dinheiro enfezado

Cenhos cerrados, aparência indignada são expedientes conhecidos. Nem mesmo a cueca substituindo as pochetes e capangas (lembram-se delas?) é inédita. Mas criatividade não falta aos nossos políticos. P

Perverso roteiro

Promessas vãs. Indignação tradutora de hipocrisia. Aposta na ignorância do eleitor. Simulação de estar chegando agora. Chororô. Inoperância atribuída aos poucos recursos disponíveis. Mais do mesmo, às

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.