Na contramão

A nação mais arraigadamente voltada para dentro de si mesma coincide com a que deseja mandar no Mundo. Atualiza a doutrina Monroe e a implementa com a aragem do arsenal atômico. Se a intervenção terceirizada não dá certo, põe a bota dos próprios patriotas em ação. A reprise de Nagasaki e Hiroshima, contudo, jamais estará descartada. Pelo menos, enquanto o egoísmo seja o senhor, como bem disse o Prêmio Nobel de Economia e colunista do New York Times, Paul Krugman.

Lá, enquanto armas compradas com os impostos pagos por todos matam negros e pobres, funcionam regularmente 7.000 empresas estatais. No Brasil elas não chegam a 600, contadas as três esferas – Municipal, estadual e federal. Na Europa, 900 das empresas transferidas para o controle privado voltaram ao ninho. Movimento exatamente inverso ao pretendido pelo Decreto n° 10.432/20. O mesmo que escancara desenfreada privatização, a que o governo já oferece a Eletrobrás. A União Europeia destinou € 1,8 trilhões para investimentos nas filhas pródigas. Entre nós, a cobiça internacional e o entreguismo patriótico ameaçam passar à mão de terceiros 46 usinas que detêm 56% das águas armazenadas, 70% de cuja reserva destina-se à agricultura.

O capitalismo de Estado (ou seja o nome que se der), na China, mantém 150.000 empresas estatais, 55.000 dê mas diretamente vinculadas à administração direta.

Das 10 maiores empresas do Mundo, 6 são estatais, se a revista Forbes não é produtora de fake-news.

A nação mais arraigadamente voltada para dentro de si mesma coincide com a que deseja mandar no Mundo. Atualiza a doutrina Monroe e a implementa com a aragem do arsenal atômico. Se a intervenção terceirizada não dá certo, põe a bota dos próprios patriotas em ação. A reprise de Nagasaki e Hiroshima, contudo, jamais estará descartada. Pelo menos, enquanto o egoísmo seja o senhor, como bem disse o Prêmio Nobel de Economia e colunista do New York Times, Paul Krugman.

Lá, enquanto armas compradas com os impostos pagos por todos matam negros e pobres, funcionam regularmente 7.000 empresas estatais. No Brasil elas não chegam a 600, contadas as três esferas – Municipal, estadual e federal. Na Europa, 900 das empresas transferidas para o controle privado voltaram ao ninho. Movimento exatamente inverso ao pretendido pelo Decreto n° 10.432/20. O mesmo que escancara desenfreada privatização, a que o governo já oferece a Eletrobrás. A União Europeia destinou € 1,8 trilhões para investimentos nas filhas pródigas. Entre nós, a cobiça internacional e o entreguismo patriótico ameaçam passar à mão de terceiros 46 usinas que detêm 56% das águas armazenadas, 70% de cuja reserva destina-se à agricultura.

O capitalismo de Estado (ou seja o nome que se der), na China, mantém 150.000 empresas estatais, 55.000 dê mas diretamente vinculadas à administração direta.

Das 10 maiores empresas do Mundo, 6 são estatais, se a revista Forbes não é produtora de fake-news.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Confusão tola

As novas tecnologias da informação que na percepção de Marshall Mac-Luhan transformaram o mundo em uma aldeia global, nem sempre têm sido vistas com a seriedade necessária. Talvez aí esteja uma das ra

Policialesco

Quem ainda tenha dúvida sobre a transformação do Estado democrático de Direito em um Estado policial, leia com atenção noticiário sobre as irregularidades atribuídas ao ex-reitor da UFSC, professor Lu

Justa reverência

Denominar o prédio em que se instalou a Faculdade de Artes da UFAM de Maestro Nivaldo Santiago era o mínimo que o velho professor merecia. Fez-se justiça a ele, cujos serviços profissionais engrandece