Morte que imortaliza

Mais que qualquer outra circunstância ou situação, a morte é que imortaliza. E o faz pelo seu inverso, como a dar prova da organização dialética do Universo. Esse espaço do qual não se conhece o início e o fim, nem dizer de que tamanho é. Os avanços científicos, às vezes aparentando improbabilidade, nem por isso responderam às mais profundas indagações do Homem. Este, também, repositório de universos particulares ainda por desvendar. Diariamente, vê-se o fim do Universo, que logo tem reposta até com a multiplicação, na agregação de novos universos particulares. A repercussão da morte de Diego Armando Maradona talvez seja, neste momento em que milhões de outras mortes ocorrem por força de um vírus, exemplo loquaz do convívio e rompimento entre os dois níveis. Da arte por ele praticada sempre à esquerda, porque a outra perna era apenas apoio, todos sabemos. De quanto seu talento era capaz, mesmo na eventual derrota os adversários o reconheciam. Isso explica as manifestações de que os meios de comunicação nos põem a par. Mesmo no resultado desfavorável de uma partida de futebol, Dieguito não saía de campo derrotado. À frente sempre havia a oportunidade de repetir atuação meritória, estimulante, solidária. Por isso, o cidadão Diego Armando Maradona chegou à construção mitológica justificada em igreja reverencial dos que dele desejam sempre estar próximos. Alguém disse que o único erro do ex-campeão do mundo de Futebol terá sido a circunstância de ser humano, mais do que o esperado do bípede dito inteligente. Não foi nos campos de futebol espalhados pelo Mundo que Maradona encontrou a derrota. Dentro das quatro linhas, Dieguito juntou com seus pés (uma das mãos uma vez ajudando) a humanidade de Carlitos, a ciência de Newton, a filosofia de Nietzsche. Fora dos estádios, mostrou como é possível resistir à sedução dos que desdenham de suas origens e entregam a própria vida à exploração que faz mais fácil - ainda que injusta e oprobriosa – a vida dos exploradores. Essa partida Diego Armando Maradona perdeu. Na perda, ganhou a imortalidade.

5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Ingratidão

Deixemos de chorumelas, diria Francisco Milani, conhecido ator brasileiro, morto em 2005. Presidente da República reeleito depois de promover a alteração da Constituição para assegurar o mandato, FHC

O novo assustador

Atemoriza-me mais que tranquiliza a manifestação da maioria dos profetas de nossos dias. Falam em novo normal, e têm dificuldade em apresentar alguma coisa que seja portadora de novidade. A normalidad

Os imprestáveis

A matança de mais de seis milhões de judeus de quase nada terá servido. Como seria prova evidente de ingenuidade exagerada ou rematada ignorância esperar algum bom legado após os milhões de mortos alc

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.