Melhor sem polícia

Não é de hoje, acontecem confrontos entre militantes e ativistas com a polícia, em manifestações de rua. Recentemente, dada a repetição das manifestações e das formas como as forças de segurança pública têm atuado, parece ficar mais claro: quanto mais longe dos manifestantes estiverem os policiais, mais pacíficas são as mobilizações. Obrigatória, a presença deles deveria pautar-se pela conduta do último domingo, na capital paulista. A polícia cuidou apenas de impedir que grupos adversários se aproximam-se um do outro. As pequenas escaramuças (nada mais que isso) aconteceram depois da dispersão voluntária dos participantes dos atos. E as forças policiais podem ser aplaudidas por terem garantido a livre manifestação dos dois grupos, mesmo se um deles não deixa de ofender a Constituição e o Estado de Direito. Deixa de ser um caso policial, para ser judicial. E os tribunais permanecem abertos. Ainda bem!

0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

Palavras sem fingimento

Visito o interessante blog palavradofingidor, do poeta Zemaria Pinto, e me surpreendo. Lá está, beneficiário da extrema generosidade do editor, meu poema O tempo. Zemaria destacou-o dentre os poemas p

À palmatória

Durante muito tempo, recriminei Édson Arantes do Nascimento. Cheguei a destoar do culto a ele prestado, pela rejeição a certas condutas que se diziam dele. Cabelos encanecidos mostraram a prudência de

Justiça e veracidade

Foi preciso o Presidente Jair Bolsonaro decretar o fim da corrupção, para o conhecido personagem Justo Veríssimo, de Chico Anísio ser lembrado com maior frequência. Outro Chico, Rodrigues e vice-líder

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.