Mar e rochedo

Camarão sempre se dá mal, quando a onda é forte. Violentas, as ondas chocam-se amigavelmente com o rochedo, e quem morre é o camarão. Sabe-se que este tem na cabeça o que alguns têm nos intestinos, mas há exceções. Pois do choque entre as águas e as encostas minerais não perdem os contendores, mas o crustáceo.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Mais um capítulo amazônico

Durante a sessão de abertura do Encontro anual do Ano Acadêmico Paulo Freire, pelo Núcleo de Estudos de Administração e Pensamento Social - ABRAS/UFF, será instalado o Capítulo Amazônia, integrado por

Hora do pega pra...

Por mais que o Presidente e o Relator da CPI da covid-19 desejem e mesmo tentem, difícil será manter a tranquilidade, quando sabemos que a marca de 500 mil cadáveres se aproxima. Nem todos têm consciê

Pensamento não morre

Há vinte e quatro anos, em outro 02 de maio, deixava-nos Paulo Freire. Doze anos depois, foi embora Augusto Boal. O pensamento e a ação de ambos, dignificantes e justificativas da nem sempre provada s