Mais que abertura, esperança




Sujeitos mantidos em permanente socialização, os indivíduos têm nas organizações de trabalho um dos palcos onde realizam parte desse processo. Se à família é reservado papel inicial e fundamental desse tornar-se pessoa (como disse Carl Rogers), as instâncias sucessivas acrescentam outras condições que a leitura de Hanna Arendth e Ortega y Gassett tão bem qualificou. Num desses locus socializantes é onde os indivíduos juntam seu esforço mental e/ou físico, entretidos com a produção de bens e serviços indispensáveis à satisfação das pessoas, individual ou coletivamente consideradas. Aqui valeria lembrar, por oportuna, a sentença de Thomas Merton: homem nenhum é uma ilha. O avanço tecnológico, invenção dos homens, parece desatento às peculiaridades próprias ao animal natural que se fez pessoa humana, esforçado por submeter-se a determinações ameaçadoras das condição a que chegou a espécie. No sentido contrário ao da tecnologia, imitação de tudo quanto ao ser humano está reservado realizar, vem a sociedade admitindo a ignorância da potencialidade dos seres humanos. Daí o caráter mecanicista e tecnocrático de certo tipo de administração que se vem espalhando pelo Mundo. Problemas organizacionais são, por sua essência e circunstância, sobretudo problemas humanos. Estes, relegados à condição miserável de meros recursos produtivos são, cada dia mais, assediados por considerações incompatíveis com as qualidades e condições que os tornaram humanos. Como se sentimentos, pensamentos, criatividade e visão de futuro não os fizessem diferentes do asno, do corvo, do morcego e da hiena. Por isso, saudemos com toda efusão e esperança o I Encontro Internacional da rede ABRAS, realizado em concomitância com o XII Encontro de Administração e Pensamento Social Brasileiro e IX Encuentro de Administración y Pensamiento Social, promovidos pela rede instalada na Universidade Federal Fluminense (UFF). Os eventos se estenderão até o mês de setembro, na forma virtual, cabendo ao Capítulo Amazônia do ABRAS – Núcleo de Estudos de Administração e Pensamento Social, promover a sessão de abertura. Em outros espaços deste sítio (Na Onda e Arpoadas) podem ser encontradas outras notícias sobre o importante evento, uma tentativa de repor a Administração na extensa e rica Área das Ciências Sociais.

3 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Ficaram todos... e mais alguns

A rendição do Presidente da República ao centrão diz mais do que aparenta. A rigor, pode ser até que não se trate de rendição, mas o exercício de uma vocação. As alegações do Presidente, à guisa de ju

Laboratório da barbárie

Leio nos jornais as despesas que o governo do Estado do Amazonas fará para, por sua alegação, oferecer maior segurança à população. Pelo que entendi, haverá investimento pesado em armas e meios de loc

Nossos números, nossa tragédia

O desempenho do Sistema Único de Saúde – SUS tenta tornar menor a tragédia desencadeada pela pandemia, e logo abraçada como objetivo de governo. Nem por isso cessou a campanha contra o serviço público