Liderança e hesitação

Mesmo se levarmos em consideração as observações de Ortega y Gasset (o homem é ele e suas circunstâncias), há certas virtudes irrecusáveis em quem exerce posição de liderança. De um médico-chefe, de serviço em pronto-socorro em que ingresse grupo numeroso de poli-traumatizados em estado grave, não se pode exigir comportamento semelhante ao de um coordenador de equipe de vendas, acomodado em confortável poltrona de gabinete. De ambos, porém, se pode legitimamente cobrar firmeza. Não se chega a essa condição sem o mínimo de conhecimento – sobre o assunto, as circunstâncias e as consequências da decisão a ser tomada. Em outras palavras, nada é mais nocivo à vida social que a hesitação. Se a proporção de ignorância cresce, com ela se multiplicam os maus efeitos da decisão tomada. Os exemplos estão aí, para quem os queira ver. É preciso, ainda assim, vencer a própria ignorância.

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O préstimo do imprestável

É falso dizer que nada se pode aprender com o (des)governo atual. As tragédias também ensinam. Assistimos ao troca-troca de que seis virarão meia-dúzia e chegamos a essa constatação: cuidado deve ser

Ministério-Lázaro

Levanta-te e anda! É como descrevem os livros sagrados a volta do irmão de Madalena, ao mundo dos vivos. Os vivos (e espertos) de hoje ressuscitam órgãos antes amaldiçoados. E tratam de provê-lo e faz

Baralho

As cartas estão na mesa. Foram conferidas e embaralhadas. Chegada a hora da partilha, a distribuição dentre os jogadores sem o que não há jogo, dá-se por falta de um jogador. Dependendo da modalidade