Lembrar nunca é demais

Em novembro de 1980, atentado contra a sede da Ordem dos Advogados do Brasil matou a secretária Lyda Monteiro. Seis meses depois, Palmira e Íris Monteiro, mãe e filha da morta, encontraram-se diante do túmulo de Lyda com o então sargento Guilherme Pereira do Rosário. No ano seguinte, o sargento do Exército morria, como um dos executores do ato terrorista no Rio Centro. O oficial que o acompanhava perdeu uma perna, sem a qual recebeu homenagens pelo ato que se pensava à margem dos regulamentos e ignorados por seus comandantes.


0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo