Lembrar nunca é demais

Em novembro de 1980, atentado contra a sede da Ordem dos Advogados do Brasil matou a secretária Lyda Monteiro. Seis meses depois, Palmira e Íris Monteiro, mãe e filha da morta, encontraram-se diante do túmulo de Lyda com o então sargento Guilherme Pereira do Rosário. No ano seguinte, o sargento do Exército morria, como um dos executores do ato terrorista no Rio Centro. O oficial que o acompanhava perdeu uma perna, sem a qual recebeu homenagens pelo ato que se pensava à margem dos regulamentos e ignorados por seus comandantes.


0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Anunciada...mas nem por isso

A forma como a covid-19 vem sendo encarada pelo governo federal responde pela tragédia que já matou mais de duzentos mil brasileiros, e ainda matará não se sabe quantos mais. O desespero que tomou con

Qual o verdadeiro PT?

Enquanto tergiversava a respeito do apoio a Baleia Rossi, o Partido dos Trabalhadores entretinha tratativas com os apoiadores de Arthur Lira, candidato de consenso entre o Presidente da República e o

Médicos paulistas se manifestam

Firmada por todos os ex-Presidentes vivos da entidade, Carta ao Público de profissionais inscritos no Conselho Regional de médicos de São Paulo - CREMESP, reivindica a pronta e vigorosa manifestação d

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.