Lazer, prazer e otários

Não é o envolvido diretamente na falcatrua o que mais interessa, mas os que a aprovam. E, o que é pior, encontram pretexto para apoia-los, o fato e seu autor. O ainda senador Flávio Bolsonaro tentou a indenização de uma agradável viagem de lazer à ilha de Fernando de Noronha. Descoberta a patranha, pôs a culpa em seus assessores. Nada novo sob o sol. O que espanta é a conduta de seus fanáticos apoiadores, cujo prazer está no gozo das férias do outro. Mesmo se pagas com o dinheiro que a eles também pertence. Não houvesse tanto otário, o que seria dos espertos?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

À tripa forra

Romero Brito, artista plástico residente em Miami, e Eri Johnson, ator, encheram o bucho (para usar a linguagem corrente no local), no almoço das mães, no Palácio Alvorada. Desde o alvorecer, carne as

Adiamento

A live de lançamento do livro O Festival da Canção de Parintins, narrativas dos compositores: História, Memória e Identidades (1985-2021), foi adiada. Não foi, nem será realizada hoje, 8 de maio. Logo