Lágrimas e dividendos

A ideia de levar o Estado a intervir na Companhia Vale do Rio Doce em consequência da tragédia de Brumadinho suscita algumas considerações e indagações. Dentre as primeiras, o discurso da excelência do setor privado, em confronto com a gestão pública. Depois, a alegação de que temos um Estado gordo demais, espaçoso, agigantado. Aqui, nunca será inoportuno lembrar a absorção de numerosas empresas privadas pelo Estado, em razão do descumprimento da Lei ou de falências propiciadoras do enriquecimento dos supostos falidos. Graças a isso, houve momento em que o portfólio oficial incluía fábrica de tecidos e de calcinhas. A Vale, entregue de mão beijada ao controle privado, agora está na iminência de ser devolvida. Os acionistas já terão recebido o que lhes foi prometido, os diretores certamente têm reservas e preparam-se para criar e dirigir novas e novamente exemplares empresas, enquanto os sucessores dos desaparecidos e mortos de Brumadinho são livres para produzir lágrimas. E não mais.

0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

Aparências ilusórias

O pior juízo político advém quase sempre da superficialidade com que o fato é encarado. Descuidam-se assim os pretensos observadores do que está por trás dos fatos e dos atos. Contentam-se em apreciar

Palavras sem fingimento

Visito o interessante blog palavradofingidor, do poeta Zemaria Pinto, e me surpreendo. Lá está, beneficiário da extrema generosidade do editor, meu poema O tempo. Zemaria destacou-o dentre os poemas p

À palmatória

Durante muito tempo, recriminei Édson Arantes do Nascimento. Cheguei a destoar do culto a ele prestado, pela rejeição a certas condutas que se diziam dele. Cabelos encanecidos mostraram a prudência de

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.