Justiça e veracidade

Foi preciso o Presidente Jair Bolsonaro decretar o fim da corrupção, para o conhecido personagem Justo Veríssimo, de Chico Anísio ser lembrado com maior frequência. Outro Chico, Rodrigues e vice-líder do governo no Senado, deu o mote. O bote, quem deu foram os agentes da Polícia Federal. Ninguém espere que os policiais se tenham surpreendido pela dinheirama encontrada em poder do parlamentar roraimense. O esconderijo é que os intrigou. A defesa do já licenciado senador atribui à surpresa pela presença dos agentes o expediente utilizado por Chico para esconder o dinheiro. O senador garante que não se trata de dinheiro sujo. Podia até não ser, mas agora... Veracidade já há; falta apenas fazer a justiça devida. Sem o excesso do Ministro Luís Barroso, para manter as coisas em seu devido lugar e respeitar a autonomia dos poderes. Basta o exemplo da própria Lava Jato, em que marginais pretenderam punir colegas. De diferente, só o lado político e ideológico.

6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Repondo a verdade

A necessidade de uma reforma administrativa parece-me indiscutível, mas por motivos e com finalidades absolutamente contrários aos que vêm propalando governo, congressistas e patrões. Com o coro engro

O Rubicão de cada um

Difíceis, muito difíceis – e tenebrosos, os dias que temos vivido. Digo da morte imposta a toda uma população, aqui como em outros lugares do Mundo. A rejeição da Ciência, a agressão aos direitos fund

Fora!