Justiça e veracidade

Foi preciso o Presidente Jair Bolsonaro decretar o fim da corrupção, para o conhecido personagem Justo Veríssimo, de Chico Anísio ser lembrado com maior frequência. Outro Chico, Rodrigues e vice-líder do governo no Senado, deu o mote. O bote, quem deu foram os agentes da Polícia Federal. Ninguém espere que os policiais se tenham surpreendido pela dinheirama encontrada em poder do parlamentar roraimense. O esconderijo é que os intrigou. A defesa do já licenciado senador atribui à surpresa pela presença dos agentes o expediente utilizado por Chico para esconder o dinheiro. O senador garante que não se trata de dinheiro sujo. Podia até não ser, mas agora... Veracidade já há; falta apenas fazer a justiça devida. Sem o excesso do Ministro Luís Barroso, para manter as coisas em seu devido lugar e respeitar a autonomia dos poderes. Basta o exemplo da própria Lava Jato, em que marginais pretenderam punir colegas. De diferente, só o lado político e ideológico.

6 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Retrato 19

Não fosse coisa pior, eu diria imoral a pretensão dos membros do Ministério Público de São Paulo. Sob alegação mentirosa e egoística, desejam eles ver-se incluídos dentre os primeiros a serem vacinad

Sem mato e sem cachorro

Cassar sempre será mais fácil que caçar. Nesta, precisa-se ter cachorro (à falta dele, gato serve). Na outra, o verbo substitui com vantagem o substantivo: matar é diferente de manter a mata. O cão ne

Triste destino

Se não podes contra o poderoso alia-te a ele. Esse o roteiro seguido pelo ex-senhor da Lava Jato, desmoronado muito antes do que imaginaria a mais criativa mente. Não dando certo a fundação urdida com

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.