top of page

Já começou

Mal firmada, a convicção de que o exPresidente terá decretada sua inelegibilidade produz seus primeiros efeitos. Se bem que cercada de rodeios e jogos de cena, a guerra pela conquista do espólio político está posta. A forma como os diversos "fiéis" seguidores do ex-capitão reagem tem aparência variada. Vai desde a jura de amor eterno até a certeza de que o futuro inelegível é melhor como soldado que como comandante. Neste caso, simples e desnecessária ratificação do que as próprias forças armadas constataram décadas atrás. Ao custo, nunca será demais relembrar, de promoção no mínimo estranha. Mas não é do passado que tratamos, e sim dos próximos 7 anos. Como esperado, as peças começam a mexer-se, em tabuleiro que só os incautos e despreparados consideram límpido e consolidado. Talvez por desatentos à sabedoria dos políticos mineiros. Ou porque, entregues às coisas mais chãs, não têm tempo para - não direi ouvir estrelas - dar uma espiada nas nuvens. Assim, os passos dos herdeiros políticos presuntivos (presumíveis, pretensiosos e pomresunçosos, também) ainda são tímidos. Ou envergonhados, quem sabe? Ao mesmo tempo, o desejo de ocupar o espaço antes ocupado por um líder vazio e despreocupado com os liderados choca-se com as desvantagens de tê-lo colado ao corpo, como tatuagem. Tarcísio, Zema, Leite ou qualquer outro sem a mesma visibilidade são tudo, menos noivo de casamento na roça. Nenhum desses está sí para brincadeira. Eles e tantos conhecidos de outros carnavais por enquanto fazem as contas. O deve-e-o-haver de contas feitas na ponta dos lápis determinará o grau de sua fidelidade. Para chegar a 2026 em condições de recolher o espólio, portanto, não bastam apenas a fome e a vontade de comer. O máximo que se pode dizer, a esta altura, é da insinuação apenas sussurrada. Uma volta ao café-com-leite das duas primeiras décadas do século passado já frequenta o bestunto de alguns candidatos à herança. Com o que ficam provados dois teoremas: a ignorância histórica e o apego ao que já era. CQD - diriam os matemáticos como queríamos demonstrar.



2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Prioridades

Pelo menos não se pode acusar o governador Eduardo Leite de insincero. É possível que nele se tenha manifestado o que meu velho e saudoso mestre de Direito Penal Aldebaro Klautau chamava oasis de honr

Pedagogia da porrada

A aprovação das chamadas escolas cívico-militares, pela Assembleia Legislativa de São Paulo deixou sua marca e, ao mesmo tempo, um presságio. Deu para ver cassetetes empunhados por policiais militares

Naufrágio semTitanic

É mais rápida a disseminação da mentira, comparada à divulgação da verdade. Ainda mais, quando o avanço tecnológico coloca à disposição dos mentirosos meios que asseguram, concomitantemente, anonimato

Comments


bottom of page