INPA VELHO DE PAZ

Há 67 anos, neste dia 27 de julho, era criado o INPA, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia. De lá até aqui, não foi fácil romper a cortina do obscurantismo, nem resistir à hostilidade de setores, agências e inimigos de olhos postos na riqueza que a instituição faria conhecer. Não tem sido outra a tarefa dos cientistas abrigados, cada dia menos numerosos, entre as paredes da respeitável instituição, pública como sempre haverá de ser. Inicialmente vista como um enclave de certa elite presunçosa e autossuficiente e civilizadora, conseguiu desvencilhar-se da pecha negativa dos primeiros tempos. Em especial, pela capacidade revelada na conduta de cientistas e técnicos abertos ao conhecimento e criteriosos em suas análises. Hoje, não são muitas as organizações que ostentam tão profundo quanto solidário vínculo com a Amazônia e seu povo. Disso são testemunho o acervo de conhecimentos e a qualidade dos cursos mantidos pelo INPA, quase todos ocupantes dos primeiros lugares em suas respectivas especialidades. Não obstante, talvez até por isso mesmo, o Instituto desperta a ira e o desdém dos que mandam no País. Em tempos de ódio, o que semeia a PAZ e sabe que o CONHECIMENTO liberta, não poderia ter outro tratamento.

4 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Entre o céu azul e a terra escura

Muito já se tem escrito sobre as dimensões do surrealismo que tomou conta do globo terrestre. Das contradições que descrevem as relações humanas nesse espaço de cujo tamanho ainda há dúvidas, também h

Pílulas

Pílulas Em tempos de covid-19 e das sequelas que ela pode determinar para os que pensavam lucrar mais do que já lucraram, com as quase 600 mil mortes, à ivermectina e à hidrocloroquina oponho as pílul

Macabro mais que patético

Macabro mais que patético Atribuir o qualificativo patético ao senador Luís Carlos Heinze (RS), seria por demais generoso. Antes de apresentar as razões do que afirmo, explico a ausência da sigla à qu