Ineditismo

Ultimamente, o Presidente da República tem viajado pelo País e inaugurado obras iniciadas por governos anteriores. Em si mesmo, nada há de condenável nessa conduta. Melhor concluir que abandonar obras interrompidas, seja pelo motivo que for. Esconder que se trata de projeto iniciado por outros governos, contudo, é feio. Por enquanto, obra deste governo permanece inédita. A não ser que se classifiquem como tal a entrega da base de Alcântara, a baixa imunização da população contra diversas doenças infecciosas, o anúncio de inflação e o desmantelamento do Estado. No entremeio, Bolsonaro aproveita para abrir torneiras no Nordeste, ampliar a ajuda financeira à falta de empregos, aqui e acolá fazendo farol com chapéu alheio. Não é inédita, entretanto, a agressão à Ciência, aos direitos humanos e aos jornalistas.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O Brasil caiu nas mãos do seu torturador*

Em 17 de abril de 2016 na votação do farsesco impeachment contra Dilma Rousseff, Bolsonaro se tornou o Ubu rei nacional. Ubu Rei é um personagem de uma peça homônima de Alfred Jarry que data do final

Saída difícil

Imagine-se um carro Ford-T trafegando nas ruas das grandes cidades. Por mais agradável que fosse conhecer aquele símbolo do mundo industrial emergindo, ninguém negaria o anacronismo da paisagem. Pois

Quem quiser, que o compre

Assisti à sessão híbrida em que a Câmara dos Deputados confirmou a decisão unânime do Supremo Tribunal Federal, determinando a prisão do deputado Daniel Silveira. O relatório lido pela autora, deputa

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.