Hora e vez do CBA

Pelo que se anuncia, o Centro de Biotecnologia da Amazônia caminha para o fim de seu calvário. Espera-se não encontrar lá a cruz em que serão pregadas as últimas esperanças do órgão e dos que sempre defenderam seu funcionamento. Quando surgiu, o CBA foi recebido com o entusiasmo e a tola euforia que costuma cercar os incensadores de todos os governos e poderosos. Não demorou, contudo, a debandada que condenou a SUFRAMA a manter sozinha as atividades da instituição, nos laboratórios onde equipes de cientistas tentavam contribuir para o rompimento do que o professor Samuel Benchimol chamou de monocultura industrial. A má vontade de uns, o desinteresse de outros, a estreita visão de terceiros levou o Centro a definhar. Mesmo muitos dos que um dia fingiram -se solidários aos belos propósitos da instituição desertaram e deixaram entregue ao esquecimento o trabalho promissor de que se ocupavam os pesquisadores. Fundação pública de direito privado (nome estranho, como as feições de um ornitorrinco) ou empresa pública, o certo é que pode estar se abrindo novo caminho para o CBA. Que ele possa, de fato, confirmar os saudáveis objetivos que animaram sua criação e o mantiveram funcionando por cerca de duas décadas! Talvez seja chegada a hora de passar do discurso ufanista e vazio e pôr o CBA na vanguarda da produção de conhecimento apto a tornar realidade o que a extraordinária potencialidade da região sugere.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Saída difícil

Imagine-se um carro Ford-T trafegando nas ruas das grandes cidades. Por mais agradável que fosse conhecer aquele símbolo do mundo industrial emergindo, ninguém negaria o anacronismo da paisagem. Pois

Quem quiser, que o compre

Assisti à sessão híbrida em que a Câmara dos Deputados confirmou a decisão unânime do Supremo Tribunal Federal, determinando a prisão do deputado Daniel Silveira. O relatório lido pela autora, deputa

O povo contra a democracia - conclusão

É na última Parte (de número 3, Remédios) que o livro apresenta suas recomendações ou, no mínimo, suas cogitações voltadas para a superação da crise: a domesticação do nacionalismo, o conserto da econ

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.