Hipocrisia e chantagem


Para não incorrer em equívoco de que me venha arrepender, digo que a máxima “os fins justificam os meios” veio e promete ficar, no soalho de nosso tão maltratado País. Estabelecida essa regra, tudo quanto concorra para chegar ao objetivo escolhido por uns (ainda que em detrimento de todos os demais), é válido. Mesmo se o observador corre o risco de ver-se comparado – e tido como igual – a muitos dos que ele condena.

Ora, se a busca de determinados objetivos autoriza alguns à prática de ilícitos, desde que isso assegure o triunfo final, tudo passa a valer – a chantagem e a hipocrisia, no pelotão de frente.

Já não fico pasmo, porque seria provar nada ter aproveitado nas mais de sete décadas de vida como um caminho de permanente aprendizado. Ao invés disso, recorro à memória e tudo quanto pude observar, registrar e manter vivo em mim. Alguns fatos, do meu conhecimento pessoal, tocam mais de perto minha sensibilidade. Outros, de que tive conhecimento não faz muito tempo, juntam-se aos primeiros, para construir um quadro que eu só lamentaria se desse algum crédito a cenhos cerrados, pose de catões e palavras ocas. Quase sempre, a esconder frustrações ou extravasar ressentimentos.

Pois é o que tem ocorrido, nos últimos meses. Constato que os atores concorrem para restaurar as máscaras um dia usadas no teatro, personas de um bem que desafia qualquer nível de compreensão. O bandido de ontem traveste-se de crítico de costumes; o delinquente tenta passar por pessoa honrada, o apedeuta deita falação, sobre o que sabe e sobre o de que não entende. Se a isso não se pode chamar hipocrisia, não sei que nome dar a essa deletéria atividade que maltrata a verdade e espezinha a menor consciência cidadã.

Seria tentado a atribuir a certo espírito chantagista essa entrega da qual resulta a discriminação mal escondida nas palavras: se é do mesmo lado em que o suposto Catão se coloca, pode tudo; se lhe é adverso, é bandido. Alguns chamarão isso de maniqueísmo. É pouco. No maniqueísmo, há o bem e o mal. Na conduta a que me refiro, o mal é reservado aos outros, aos bandidos pelos quais o Catão não tem a menor simpatia. Aos primeiros, é desejada a morte. Dos outros, podem esperar ainda a desejada recompensa. Sabemos que um dia ela virá. Quem duvida?

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Ingratidão

Deixemos de chorumelas, diria Francisco Milani, conhecido ator brasileiro, morto em 2005. Presidente da República reeleito depois de promover a alteração da Constituição para assegurar o mandato, FHC

O novo assustador

Atemoriza-me mais que tranquiliza a manifestação da maioria dos profetas de nossos dias. Falam em novo normal, e têm dificuldade em apresentar alguma coisa que seja portadora de novidade. A normalidad

Os imprestáveis

A matança de mais de seis milhões de judeus de quase nada terá servido. Como seria prova evidente de ingenuidade exagerada ou rematada ignorância esperar algum bom legado após os milhões de mortos alc

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.