Gotas

Que perdoe

o João montado

em alazão de rosas

ornado

viver é perigo só

perigoso morrer

é pior

cada dia

cada hora

cada minuto

todo instante

traz a certeza da

asfixia

dum ir embora

à revelia de

um peito arfante

se o líquido entra

garganta abaixo

trazendo a cura

por que anseio

a injeção põe em meu corpo

a saúde com que passeio

longe da pedra

do ataúde que a todos

traz só receio

é a pomada com que

combato

certos males de que me

permeio

goteja muito atenta

longeva companheira

acompanhando os nossos passos

como pacto bem cerzido

sem nos deixar de lado

desde o primeiro vagido

constrói o fim

sabendo-o certo

desde a chegada incerta

com suas artes marotas

leva-nos à morte todo dia

como se a bebêssemos

em gotas.

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Jogo macabro

Sentou-se à mesa sem que sequer alguém o tenha percebido convidado não fora nem esperada era sua vinda sentiu-se à vontade como desfrutasse das honras dos sabores dos gestos – só horrores! Momento inu

Jogo macabro

Sentou-se à mesa sem que sequer alguém o tenha percebido convidado não fora nem esperada era sua vinda sentiu-se à vontade como desfrutasse das honras dos sabores dos gestos – só horrores! Momento inu

Erga omnes

Lavemos todos as mãos sacrifiquemos o convívio que nos faz humanos guardemos abraços afagos apertos de mão carinhos sem os quais não seremos senão animais ... às vezes nem tanto pássaros distantes do