Generoso surpreendido

O senador baiano Otto Alencar é demasiado generoso. Sua atuação na CPI do Senado tem-se prestado a corrigir equívocos que reputados profissionais da Medicina e da Ciência vêm cometendo. Um simples exemplo bastaria para pôr em dúvida certas famas: a Dra. Nise Yamaguchi não soube estabelecer a diferença entre vírus e protozoário. Logo ela, defensora intransigente do uso da cloroquina. Médico, o representante baiano nunca se nega a corrigir deficiências do ensino da Medicina cujas vítimas depõem na CPI. A generosidade do senador vai longe. Bastaria lembrar que ele agora reclama do linguajar do Presidente da República, capaz de ofender homens e mulheres com palavras inclusive de baixo calão. À altura de quem as profere, deveria saber Otto Alencar.– e sua generosidade despreza.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O préstimo do imprestável

É falso dizer que nada se pode aprender com o (des)governo atual. As tragédias também ensinam. Assistimos ao troca-troca de que seis virarão meia-dúzia e chegamos a essa constatação: cuidado deve ser

Ministério-Lázaro

Levanta-te e anda! É como descrevem os livros sagrados a volta do irmão de Madalena, ao mundo dos vivos. Os vivos (e espertos) de hoje ressuscitam órgãos antes amaldiçoados. E tratam de provê-lo e faz

Baralho

As cartas estão na mesa. Foram conferidas e embaralhadas. Chegada a hora da partilha, a distribuição dentre os jogadores sem o que não há jogo, dá-se por falta de um jogador. Dependendo da modalidade