Gabinete e crise

Ora por uma razão, ora por outra substancialmente diferente, amiúdam-se as oportunidades em que o poder público se vale de expedientes pouco usuais. Estamos, no Amazonas, acossados pela violência sem limites e, sob o pretexto de combatê-la, ocorre a criação do que tem sido chamado gabinete de crise. Poucas têm sido as vezes em que tal expediente resolveu, de fato e definitivamente, o problema ao qual foi aplicado. Vem-me à mente, então, instituição própria do sistema parlamentarista de governo, igualmente denominada. Lá, onde o Executivo não se sobrepõe ao Legislativo e ao Judiciário, Gabinete é o conjunto de ministérios, conduzido pelo Primeiro-Ministro ungido pelo Parlamento. Todos os que detêm pequena informação sobre alguns desses países, sabem quantas vezes o governo tem funcionado, enquanto há impasses na formação de novo Gabinete. Trata-se, portanto, de uma burocracia sólida e respeitada, que não deixa a máquina parar. Talvez a Itália seja, dentre tantas outras, a nação onde isso mais ocorre(u).

Certamente, nem sempre há céu de brigadeiro para os gabinetes, nem a crise deixa de apresentar-se. É preciso, então, saber como funcionam os gabinetes. Do contrário, a crise poderá estar neles mesmos.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Policialesco

Quem ainda tenha dúvida sobre a transformação do Estado democrático de Direito em um Estado policial, leia com atenção noticiário sobre as irregularidades atribuídas ao ex-reitor da UFSC, professor Lu

Justa reverência

Denominar o prédio em que se instalou a Faculdade de Artes da UFAM de Maestro Nivaldo Santiago era o mínimo que o velho professor merecia. Fez-se justiça a ele, cujos serviços profissionais engrandece

Zona Franca posta em questão

Promovida pelo grupo de pesquisas Ilhargas, do Instituto de Filosofia, Ciências Humanas e Sociais da UFAM, uma discussão sobre a zona franca de Manaus será realizada hoje. Reunindo interessados no tem