Fria ou quente, indesejável

Faz pouco tempo, os analistas, cientistas políticos, sociólogos, filósofos e outros estudiosos das ciências sociais eram prudentes na observação dos fenômenos de suas respectivas áreas de interesse. Tal prudência, que às vezes me parecia demasiada, fazia-os sempre mostrar certo anacronismo quando falávamos em uma nova Guerra Fria. Mil argumentos eram postos à mesa de debates, retida na memória a clava forte dos dogmas: a história só se repete como farsa. O mundo globalizado, como se a globalização fosse fenômeno recém-nascido, anulava qualquer semelhança que se dispusesse alguém a levantar entre o ontem e o hoje. Fora as circunstâncias, que Gassett destacou melhor que ninguém, nada havia mudado. Só que a História se vai construindo pelas circunstância, permanentemente mutáveis - e mudadas. E a Guerra Fria começa a ser mencionada, não que ela se configure da mesma forma como antes. Desfiar as novidades que a sociedade humana criou, desenvolveu e implantou, desde o final da Segunda Guerra Mundial - esta, uma guerra das mais quentes - seria exagero. Elas são tão claramente postas que qualquer novo exercício demonstrativo representaria malhar em ferro frio. Já não parece mais haver dúvida do desinteresse das grandes potências em promover a temida e esperada hecatombe atômica. Caso ocorresse, todos perderiam. Não haveria vencedores, talvez apenas as baratas. O processo de apropriação das riquezas do Planeta, então, faz-se por outras vias, dentre as quais a guerra permanente mas particularizada. A indústria armamentistas não precisa parar, nem reduzir os lucros dos produtores. Para isso atuam os governantes dos países produtores, desde que Dwight Einsenhower, ex-Presidente dos Estados Unidos da América do Norte o identificou. E ele sabia dessas coisas. Alguns dos analistas, talvez iniciando novo período atento à estrategia dos donos do Mundo, os atuais e os pretendentes, voltam a falar em Guerra Fria. Para refrescar a memória dos que esqueceram e informar os que nasceram depois dos anos 1960, mostram similitudes entre o lançamento do Sputnik e a promessa de vacina em setembro, pela Rússia. Quem viveu, viu. Quem viver, verá..

Qualquer que seja o resultado, a guerra fria destes tristes tempos aproveitará a quem?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Como faria Rondon ?

Dê-se o nome que se quiser dar, não muda a natureza do crime de que estão ameaçados grupos indígenas do interior do Amazonas. O propósito de exterminá-los está em todos os órgãos dos media, elucidativ

Frustrações democráticas

Na marcha batida em direção ao passado, sendo buscada a ordem contra os mais fracos e o progresso andando para trás, tenta-se configurar o Brasil como uma pátria armada. Ponham-se armas nas mãos de to

A nova política

Admita-se o voto em alguém absolutamente despreparado para exercer o cargo a que aspira. Afinal, a todos deve ser dada a oportunidade de buscar o que lhe pareça melhor, até mesmo do ponto de vista mer