Fora de foco

Repetem-se as queixas de que a Zona Franca de Manaus passou ao largo da campanha eleitoral. Os críticos (?) mencionam a escassa atenção conferida ao tema, reputado como fundamental para a sobrevivência do projeto da ditadura para a região. Não tenho informações que levem a mais que suspeita a hipótese de o mesmo ter ocorrido no Pará, em relação aos megaprojetos. Lúcio Flávio Pinto, o jornalista e professor admirado, certamente dirá melhor. O que sei, porém, é do silêncio que não chamarei sepulcral apenas para não cair no lugar-comum, sobre o rebatizado Polo Industrial de Manaus - PIM. Pode ser até que a boca de siri corresponda à suspeita, se não à certeza, de que a "nossa" zona franca de nossa só tenha os favores fiscais e a terra a preço de banana concedida aos investidores(?). Os resultados não precisam beneficiar os nossos - esses sim! - irmãos, de cujo suor vem o enriquecimento dos que investem pra valer em outras regiões - ou países, como se está farto de saber. Compreenda-se, portanto, o "esquecimento" do tema, pelos postulantes dos postos municipais. Nem se precisa mencionar os riscos de ver as próximas campanhas eleitorais emagrecidas em recursos, para ter claras as razões do que sequer parece estratégia bem cuidada. Mais se discuta o fenômeno, mais claro ele pode aparecer diante dos que o endeusam e rendem todas (e tolas) homenagens. Dispensar a ZFM, hoje, equivaleria a profundo golpe na economia regional. Tanto quanto deixa-la fora de foco expressaria, no mínimo, aplaudir as consequências da desigualdade que ela gera. Cabe a pergunta, portanto: quem se preocupa com a desigualdade?

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Senha da morte

Qualquer receita composta a partir de ingredientes ineficazes nada de bom pode prometer. Em relação à saúde humana, os efeitos podem levar a consequências indesejáveis, pelo menos para as vítimas e se

Ingratidão

Deixemos de chorumelas, diria Francisco Milani, conhecido ator brasileiro, morto em 2005. Presidente da República reeleito depois de promover a alteração da Constituição para assegurar o mandato, FHC

O novo assustador

Atemoriza-me mais que tranquiliza a manifestação da maioria dos profetas de nossos dias. Falam em novo normal, e têm dificuldade em apresentar alguma coisa que seja portadora de novidade. A normalidad

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.